Custo de produção da pecuária de corte no Brasil sobe mais que arroba, diz Cepea

sexta-feira, 8 de agosto de 2014 13:48 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Os custos de produção da pecuária de corte tiveram forte alta no primeiro semestre nas principais áreas produtoras do Brasil, superando o incremento no preço da arroba, puxados pelos gastos com reposição de animais e suplementação mineral, mostrou nesta sexta-feira acompanhamento do Centro de Estudos Avançados em Economia (Cepea).

Os números do estudo, divulgados em informativo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), mostram que o preço médio do Custo Operacional Total (COT) subiu 10,72 por cento e o Custo Operacional Efetivo (COE) 12,87 por cento nos primeiros seis meses de 2014, nos 11 principais estados produtores.

No mesmo período, o preço do boi gordo subiu 8,56 por cento, com o maior percentual de alta desde 2010, conforme a média mensal do Indicador ESALQ/BM&FBovespa, num momento em que o Brasil registra exportações recordes de carne bovina.

A alta dos custos superior ao preço pago pela arroba ao produtor mostra um aperto das margens dos pecuaristas, que tiveram no primeiro trimestre preços nominais recordes, acima de 125 reais/arroba. No segundo trimestre, alegando menores vendas no atacado, frigoríficos tentaram adquirir o boi a valores mais baixos.

Os custos com o bezerro para a pecuária de corte subiram 22 por cento, segundo o acompanhamento do Cepea, enquanto a suplementação mineral avançou 4,53 por cento. Os custos com mão de obra no período aumentaram 6,78 por cento.

"Além dos preços recordes do bezerro, a valorização dos suplementos minerais, contribuiu para elevar os custos", informou o Cepea, acrescentando que a pressão do gasto foi maior no segundo trimestre.

O COE refere-se às despesas do setor ao longo do ano, enquanto o COT inclui também o custo de oportunidade do capital investido.

(Por Fabíola Gomes)