Plantio de transgênicos no Brasil deve aumentar 3,9% na safra 2014/15

quarta-feira, 13 de agosto de 2014 16:18 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A área cultivada com soja, milho e algodão transgênicos deverá aumentar 3,9 por cento em 2014/15 ante a temporada anterior, para 42,2 milhões de hectares, com ganhos de produtividade atraindo agricultores para o uso da biotecnologia, apontou a consultoria Céleres em sua primeira estimativa para o ciclo.

Se compiladas as três culturas, a taxa de adoção da tecnologia transgênica atinge 89,2 por cento, à medida que agricultores buscam produtos resistentes a insetos e tolerante a herbicidas, disse a Céleres.

A consultoria citou ganhos do lado operacional, "na medida em que se avança com novas tecnologias, reduzindo aplicações de defensivos agrícolas e facilitando o manejo".

Sementes transgênicas de soja deverão cobrir uma área de 29,1 milhões de hectares em 2014/15, o aumento de 6,1 por cento ante o ciclo anterior --93,2 por cento da área plantada no Brasil terá o produto geneticamente alterado.

A tecnologia que mais atrai a atenção dos produtores na temporada, cujo cultivo tem início em meados de setembro, é a que contém genes combinados, resistentes a insetos e tolerante a herbicida, que atingiu fatia de 16,5 por cento do total a ser semeado.

"Resultados finais da safra 2013/14 trazem boas perspectivas para o evento transgênico, pelo ótimo controle de lagartas, possibilitando ainda mais facilidade operacional", afirmou a Céleres, notando que essa soja com genes combinados está apenas em seu segundo ano.

No caso do milho verão, porém, a Céleres vê queda de 2,3 por cento, e no caso da safra de inverno o percentual de área cultivado com sementes transgênicas deve ficar estável, em meio a um mercado com preços baixos para este produto.

"Nesse sentido, é de se esperar menores investimentos na cultura, utilizando sementes de média tecnologia, que ofereçam boas produtividades e redução de custos."

Ainda assim, a área com milho geneticamente modificado (verão e inverno) será de 12,5 milhões de hectares, com taxa de adoção de 82,4 por cento.   Continuação...