Heinz promete melhorar controle sobre fornecedores na China após problema com cereal infantil

terça-feira, 19 de agosto de 2014 08:44 BRT
 

Por Adam Jourdan e Sui-Lee Wee

XANGAI/PEQUIM (Reuters) - A fabricante norte-americana de alimentos H.J. Heinz disse nesta terça-feira que vai apertar o controle sobre fornecedores de ingredientes na China, após ter sido forçada a retirar das prateleiras alguns produtos infantis no país devido a níveis excessivos de chumbo. 

A companhia, conhecida globalmente por seu ketchup, fez o anúncio para tentar conter o potencial dano à sua reputação em um país onde consumidores são bastante sensíveis à segurança alimentar após uma série de casos. 

A Heinz disse à Reuters nesta segunda-feira que havia retirado de circulação quatro remessas de um cereal infantil após um regulador de alimentos no leste da China ter descoberto níveis do metal tóxico acima dos padrões regulamentares. 

Problemas nas cadeias de fornecimento na China têm sido acompanhados de perto, após a Yum Brands (YUM.N: Cotações), controladora da rede de restaurantes KFC, o Wal-Mart (WMT.N: Cotações) e o McDonald’s (MCD.N: Cotações) terem enfrentado questões de segurança alimentar junto a fornecedores.

Consumidores na China são especialmente sensíveis a produtos para bebês, após um caso de leite em pó contaminado com melamina, um químico industrial, ter levado à morte ao menos seis crianças em 2008.

“Eu acredito que a Heinz enfrenta bastante problema agora, porque os pais não vão perdoar quaisquer problemas de qualidade em produtos alimentícios infantis”, disse Shaun Rein, diretor do China Market Research Group, em Xangai. 

A Heinz vai traçar sistemas mais rigorosos para regular fornecedores de ingredientes e melhorar a rastreabilidade e medidas de controle de segurança alimentar junto à sua cadeia de fornecedores, disse a companhia norte-americana em uma publicação em seu blog oficial Sina Weibo, nesta terça-feira. 

Produtos afetados foram selados e seriam destruídos sob a orientação do regulador, acrescentou a companhia.    Continuação...

 
Cereal da Heinz que teve algumas caixas retiradas de mercados da China por possível contaminação. 18/08/2014 REUTERS/Stringer