Mercado imobiliário dos EUA melhor, pressões inflacionárias são fracas

terça-feira, 19 de agosto de 2014 11:26 BRT
 

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - O início de construções de moradias nos Estados Unidos se recuperou com força em julho, indicando ímpeto na economia, mas uma alta moderada nos preços ao consumidor sugere que o Federal Reserve, banco central do país, tem espaço para manter as taxas de juros baixas por um tempo.

O início de construções saltou 15,7 por cento no mês passado, para ritmo anual ajustado sazonalmente de 1,09 milhão de unidades, interrompendo dois meses seguidos de quedas, informou nesta terça-feira o Departamento do Comércio do país.

Economistas consultados pela Reuters esperavam alta para 969 mil unidades em julho.

Em relatório separado, o Departamento do Trabalho informou que o Índice de Preços ao Consumidor norte-americano subiu 0,1 por cento em julho, após alta de 0,3 por cento em junho, com a queda nos custos da energia compensando parcialmente os avanços dos preços de alimentos e aluguéis.

Nos 12 meses até julho, o índice subiu 2 por cento após avançar 2,1 por cento em junho.

Desconsiderando preços de alimentos e energia, o chamado núcleo de preços ao consumidor subiu 0,1 por cento após um avanço similar em junho. Nos 12 meses até julho, o núcleo dos preços ao consumidor subiu 1,9 por cento, contra alta pela mesma margem em junho.

A inflação acelerou levemente de março a junho, mas o excesso de capacidade no mercado de trabalho, marcado por um crescimento morno dos salários, está contendo as pressões sobre os preços.

"A recente fraqueza do mercado imobiliário parece estar se revertendo, enquanto o mercado de trabalho parece estar melhorando. E tudo isso vem com pressões inflacionárias crescendo apenas levemente", disse Dan Greenhaus, estrategista-chefe do BTIG em Nova York.   Continuação...