Julgamentos na CVM de processos envolvendo Eike devem ficar para 2015

terça-feira, 19 de agosto de 2014 19:13 BRT
 

Por Juliana Schincariol

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O julgamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de mais de uma dezena de processos contra o empresário Eike Batista, atuais e ex-executivos do Grupo EBX tendem a ficar para 2015, em momento de provável quórum reduzido de diretores na autarquia.

No momento, há 11 processos administrativos instaurados e com julgamento pendente, disse à Reuters o presidente da CVM, Leonardo Pereira. Mas o número tende a aumentar, já que ainda estão em andamento outras 11 investigações.

"(Os processos) já têm relator. Eles precisam de tempo para fazer o relatório. (Os julgamentos) talvez não sejam ainda este ano, talvez fiquem para o ano que vem", disse Pereira, em entrevista na segunda-feira.

Nos dois principais processos, Eike é acusado de uso de informação privilegiada, um envolvendo a petroleira Óleo e Gás Participações, ex-OGX, e outro o estaleiro OSX. Nesses dois casos, o empresário também pode ser punido na esfera criminal, segundo documentos vistos pela Reuters anteriormente.

A Óleo e Gás protagonizou em outubro passado o maior pedido de recuperação judicial da história por uma empresa da América Latina. Em novembro, foi a vez da OSX, empresa-irmã da Óleo e Gás, pedir proteção contra credores.

No total, mais de 20 executivos estão incluídos nos processos na CVM. Eles ainda podem tentar acordos conhecidos como termos de compromisso, opção já recusada pela CVM em alguns casos.

"É um negócio grande, mas que ainda não acabou", disse o presidente da CVM, acrescentando que os processos são independentes e recusando-se a comentar casos específicos.

Procurada, a assessoria de imprensa do Grupo EBX disse que não comentará o assunto.   Continuação...