Berlim não considerará venda de fatia no Commerzbank até 2016, segundo revista

quarta-feira, 20 de agosto de 2014 09:21 BRT
 

FRANKFURT, 20 Ago (Reuters) - O governo alemão somente irá considerar a venda de sua fatia de 17 por cento no Commerzbank após a conclusão, em 2016, de uma reestruturação no banco, disse uma autoridade sênior do ministério das Finanças a uma revista alemã.

"Não somos um investidor de longo prazo, mas não vejo motivo para nos desfazermos de nossa participação no momento", disse o vice-ministro das Finanças, Thomas Steffen, à Manager Magazin.

"Se saíssemos agora significaria que não acreditamos nos planos da administração", ele acrescentou.

O Commerzbank foi uma das baixas mais notórias da crise financeira global, com o governo alemão gastando cerca de 18 bilhões de euros (24 bilhões de dólares) em seu resgate.

A comissão de monopólios da Alemanha, que assessora o governo em questões de competição, disse no mês passado que a fatia era um incômodo adicional em um mercado financeiro já marcado por várias distorções de concorrência e encorajou Berlim a vender em vez de esperar por um preço melhor para os papéis.

Uma venda de participação também pode abrir o caminho para uma aquisição do Commerzbank.

A mídia alemã já relatou que o banco francês Société Générale e o espanhol Santander estavam separadamente ponderando uma aliança com o Commerzbank. Os bancos não quiseram comentar.

Analistas calculam que o preço mínimo das ações para o governo chegar a um equilíbrio seria de cerca de 26 euros por papel, longe do preço atual de 10,92 euros.

(Por Jonathan Gould)