Governo lança medidas para incentivar crédito; bancos aprovam

quarta-feira, 20 de agosto de 2014 22:21 BRT
 

Por Luciana Otoni e Aluísio Alves

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - O governo federal anunciou nesta quarta-feira uma enxurrada de medidas para tentar estimular o mercado de crédito, que vem perdendo fôlego num momento em que a atividade econômica se mostra cada vez mais fraca e há risco de o país entrar em recessão técnica neste ano eleitoral.

O Banco Central anunciou medidas que têm potencial de injetar 25 bilhões de reais na economia, enquanto o Ministério da Fazenda tomou medidas para facilitar a recuperação de créditos inadimplentes e impulsionar o financiamento imobiliário.

Entre as medidas está a criação de Letras Imobiliárias Garantidas (conhecidas como "covered bond"), que serão isentas de Imposto de Renda e servirão para melhorar o funding das instituições financeiras que trabalharem neste segmento.

Também foi anunciado que imóveis quitados poderão ser usados como garantia de operações de crédito de qualquer natureza. Segundo o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Caffarelli, essa ação pode gerar cerca de 16 bilhões de reais em novas operações.

Os bancos também não precisarão recorrer à Justiça para reaver créditos inadimplentes sem garantia até o limite de 100 mil reais e, com garantia, de até 50 mil reais, com o objetivo de fazer deduções tributárias.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que com essas ações, os custos das instituições financeiras serão reduzidos e, assim, os juros e os spreads bancários --diferença entre o custo de captação do banco e a taxa efetivamente cobrada do consumidor final-- poderão recuar também.

"Mas isso vai depender das instituições, o mercado é livre... Estamos trabalhando para isso", afirmou o ministro a jornalistas, poucas horas após o Banco Central também divulgar outra lista de ações para melhorar o mercado de crédito.

O Banco Central elevará a partir da próxima segunda-feira de 50 para 60 por cento a parcela do recolhimento compulsório a prazo que pode ser cumprida com operações de crédito, o que abre espaço para liberar 10 bilhões de reais.   Continuação...