CENÁRIOS-Incentivo ao crédito pode ajudar a reduzir pressão de incorporadoras

sexta-feira, 22 de agosto de 2014 17:55 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As medidas de incentivo ao crédito imobiliário anunciadas pelo governo federal podem ajudar a diminuir a pressão sobre os estoques das construtoras e incorporadoras, que continuam enfrentando pressão sobre margens, com vendas e lançamentos fracos, segundo especialistas do setor.

Para o diretor-executivo da Associação Brasileira das Incorporadoras (Abrainc), Renato Ventura, as medidas terão maior impacto de forma gradual.

"As medidas são bastante positivas e agregam ao setor imobiliário como um todo, a pespectiva é que se ganhe de forma estrutural. Não é um resultado pontual", disse.

Num primeiro momento, o incentivo ao crédito pode trazer algum resultado positivo sobre as vendas nos próximos meses, enquanto a palavra de ordem das companhias é reduzir o estoque, com objetivo de diminuir a pressão sobre margens e gerar caixa, além de voltar a um patamar confortável para lançamentos.

"Agosto e setembro costumam ser muito interessantes para o mercado, mas não estamos vendo uma reação tão grande quanto nos anos anteriores. Estas medidas devem deslocar os meses de transações imobiliárias para outubro e novembro", afirmou o presidente-executivo do portal Zap Imóveis, Eduardo Schaeffer.

As medidas anunciadas na quarta-feira, incluem reduzir o custo dos bancos, facilitar a recuperação do crédito inadimplente, e também a criação de Letras Imobiliárias Garantidas isentas de imposto de renda.

"A gente vê com bons olhos porque o crédito estava secando", disse o presidente-executivo da ponta de estoque de imóveis RealtON, Rogério Santos.

"O mercado ainda deve continuar tímido, devido à insegurança que a entrada de um novo governo gera, com uma leve melhora devido ao aumento do crédito e às promoções que ainda estão acontecendo", acrescentou.

O ambiente do ano não tem sido favorável. Em São Paulo, as vendas de imóveis novos no primeiro semestre caíram 48,3 por cento em relação ao mesmo período de 2013, segundo o Secovi-SP, sindicato da habitação.   Continuação...