Dólar fecha abaixo de R$2,24 pela primeira vez desde fim de julho por cena eleitoral

quinta-feira, 28 de agosto de 2014 17:44 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda nesta quinta-feira, cotado abaixo de 2,24 reais pela primeira vez desde fim de julho, com investidores reforçando apostas na derrota da presidente Dilma Rousseff (PT) nas eleições de outubro.

A perspectiva eleitoral compensou a pressão vinda das renovadas tensões geopolíticas na Ucrânia e da possibilidade de alta dos juros norte-americanos mais cedo que o esperado.

A moeda norte-americana caiu 0,28 por cento, a 2,2393 reais na venda, após chegar a 2,2602 reais na máxima e a 2,2373 reais na mínima do dia. Foi a menor cotação de fechamento desde 29 de julho. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,4 bilhão de dólares.

Investidores internacionais intensificaram a compra de ativos brasileiros, após pesquisas eleitorais mostrarem que Marina Silva (PSB) derrotaria Dilma em um eventual segundo turno das eleições.

"O mercado está querendo passar o recado de que definitivamente não quer que a Dilma se reeleja e isso está batendo de frente com todos os fatores negativos desta sessão", disse o diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros.

O dólar chegou a exibir altas mais expressivas no início dos negócios, refletindo o quadro global de aversão ao risco, após a Ucrânia acusar a Rússia de levar suas tropas para o sudeste ucraniano em apoio a rebeldes separatistas.

A moeda norte-americana também foi impulsionada na primeira parte do pregão por dados mostrando que o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu mais que o esperado no segundo trimestre e que os pedidos de auxílio-desemprego no país recuaram pela segunda semana seguida.

Ambos os dados aumentam a margem para que o Federal Reserve, banco central do país, aumente os juros mais cedo do que o esperado. Juros mais altos nos EUA poderiam atrair recursos atualmente aplicados em outros países, ajudando a moeda norte-americana a se valorizar globalmente.   Continuação...