1 de Setembro de 2014 / às 13:07 / em 3 anos

Com fim da Copa, indústria do Brasil volta a crescer em agosto após 4 meses, aponta PMI

A atividade da indústria brasileira voltou a mostrar expansão em agosto após quatro meses de contração, favorecida pelo aumento da produção com o fim da Copa do Mundo e pela atividade de compras, de acordo com o PMI. 28/06/2014 REUTERS/Roosevelt Cassio

SÃO PAULO (Reuters) - A atividade da indústria brasileira voltou a mostrar expansão em agosto após quatro meses de contração, favorecida pelo aumento da produção com o fim da Copa do Mundo e pela atividade de compras, de acordo com o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgado nesta segunda-feira.

Em agosto, o PMI da indústria apurado pelo Markit subiu a 50,2 contra 49,1 em julho, voltando a ficar acima da marca de 50 que separa crescimento de contração pela primeira vez desde março.

“O índice sugere que a atividade melhorou modestamente em agosto, no que pode ter sido uma recuperação após os impactos provocados pela Copa do Mundo”, disse o economista-chefe do HSBC André Lóes.

Os PMIs em junho e julho mostraram que a Copa do Mundo afetou a atividade industrial. Mas com a conclusão do Mundial, a indústria aumentou a produção em agosto, bem como garantiu a assinatura de novos acordos comerciais, segundo o Markit.

O maior aumento da produção foi registrado pelo subsetor de bens intermediários, enquanto a indústria de bens de capital teve ligeira queda.

Por sua vez, a atividade de compra cresceu pelo segundo mês seguido, e no ritmo mais rápido desde março. Todas as categorias registraram aumento, sendo o mais forte entre os produtores de bens de investimento.

Por outro lado, o volume de novos negócios permaneceu inalterado em agosto, sendo que a subcategoria de bens de capital registrou redução.

Embora o resultado geral tenha interrompido quatro meses seguidos de queda, Lóes destacou que os novos pedidos ficaram praticamente estáveis em relação ao mês anterior, sugerindo que “o cenário para o setor permanece fraco”.

O PMI indicou recuo na força de trabalho, com as empresas apontando a ausência de demanda como causa, após modesta criação de vagas em julho. “No entanto, a taxa de cortes foi fracionária, de um modo geral, com mais de 99 por cento dos entrevistados relatando uma ausência de mudanças nos números de funcionários” disse o relatório.

Os produtores de bens intermediários foram os únicos a apontar queda no número de funcionários, sendo que os produtores de bens de consumo e de bens de investimento indicaram leves aumentos.

Em relação às pressões inflacionárias, estas persistiram em agosto, porém fracas. Os custos dos insumos aumentaram, mas a uma taxa marginal e bem abaixo da média de longo prazo para as séries. Consequentemente, os preços cobrados aumentaram pelo terceiro mês seguido.

As perspectivas para o setor industrial brasileiro neste ano, em que a presidente Dilma Rousseff tenta a reeleição, são negativas. Segundo dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados na sexta-feira, o setor fechou o segundo trimestre com retração de 1,50 por cento sobre os três meses anteriores, prejudicando a atividade econômica, que encolheu 0,6 por cento no período. Com isso, o Brasil entrou em recessão econômica no primeiro semestre.

A indústria não tem conseguido se desvencilhar do baixo nível de confiança, que em agosto caiu pelo oitavo mês seguido, e a contração do setor neste ano já é dada como certa. Economistas consultados na pesquisa Focus do Banco Central veem retração de 1,70 por cento.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below