Copom mantém Selic em 11% ao ano pela 3º vez seguida, mas muda comunicado

quarta-feira, 3 de setembro de 2014 20:06 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu por unanimidade, nesta quarta-feira, manter a taxa básica de juros em 11 por cento ao ano pela terceira vez seguida, em linha com as expectativas do mercado.

Em comunicado, o Copom disse que "avaliando a evolução do cenário macroeconômico e perspectivas para inflação" decidiu manter os juros. No entanto, o BC retirou do comunicado a expressão "neste momento" utilizada nas últimas duas reuniões. A expressão era entendida pelo mercado como uma sinalização de que a autoridade monetária poderia alterar os juros num futuro próximo.

Pesquisa da Reuters mostrou que todos os 53 analistas consultados esperavam a manutenção da Selic.

A decisão do BC de não alterar o juro ocorre no momento em que a economia brasileira entrou em recessão técnica e a inflação em 12 meses ainda ronda o teto da meta do governo.

"Acho que o Banco Central retirou o 'neste momento' justamente para sinalizar que não terá que aumentar os juros agora. Indica que a contração do PIB nesses últimos trimestres surpreendeu em alguma medida o BC", disse o economista-chefe do Banco Pine, Marco Maciel.

A economia brasileira encolheu 0,6 por cento no segundo trimestre e 0,2 por cento nos primeiros três meses do ano, ante os trimestres anteriores, colocando o país em recessão técnica.

Já a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) atingiu 6,50 por cento em 12 meses até julho, limite do teto da meta do governo. O dado de agosto será conhecido na sexta-feira, e a expectativa é que fique praticamente no mesmo nível, a 6,51 por cento, de acordo com pesquisa Reuters.

(Por Luciana Otoni, reportagem adicional de Bruno Federowski)