Bovespa tem maior queda diária desde fevereiro por Petrobras e exterior

segunda-feira, 8 de setembro de 2014 19:00 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa teve nesta segunda-feira a maior queda percentual em sete meses, puxado pelo forte recuo das ações da Petrobras e acompanhando o fraco desempenho dos mercados internacionais.

O Ibovespa caiu 2,45 por cento, para 59.192 pontos, refletindo um movimento generalizado de realização de lucros, que levou 65 das 69 ações da carteira fecharem no vermelho. Foi a maior queda diária desde 3 de fevereiro. O giro financeiro da sessão somou 9,6 bilhões de reais.

As ações preferenciais da Petrobras, que chegaram a subir mais de 3 por cento no início dos negócios, fecharam em queda superior a 4 por cento, com operadores citando principalmente investidores estrangeiros como vendedores.

A Petrobras foi alvo de denúncias de corrupção neste final de semana, com a publicação de notícias de que o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa teria dito à Polícia Federal que dezenas de parlamentares e três governadores teriam recebido pagamentos de comissão sobre contratos da estatal.

No início do pregão, alguns participantes do mercado afirmaram que a notícia poderia prejudicar a presidente Dilma Rousseff (PT) nas próximas pesquisas eleitorais, o que ajudou a Petrobras a subir. Mas a animação do mercado durou pouco.

"Pode ter havido euforia no início da sessão, mas depois caiu a ficha. Na dúvida, o investidor estrangeiro vende... o mercado já estava querendo realizar lucros", disse o operador da corretora BGC Liquidez, Pedro Arantes.

Apesar da queda nesta sessão, a ação preferencial da Petrobras ainda acumula alta de 35 por cento no ano, com investidores apostando na melhora da administração da estatal num eventual novo governo.

Ações de empresas do setor elétrico, como Eletrobras e Light, e do imobiliário, como MRV e Rossi Residencial, figuraram entre as líderes de queda.

No campo positivo, o destaque foi a TIM Participações, com alta superior a 6 por cento, após o diretor de Finanças da América Móvil afirmar que a empresa tem interesse em explorar com a Oi oferta conjunta pela TIM, da Telecom Italia. [L1N0R91W3]   Continuação...