BC: "é plausível" que política monetária não mude e Selic não seja reduzida

quinta-feira, 11 de setembro de 2014 09:55 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central informou nesta quinta-feira que é "plausível" levar a inflação para a trajetória da meta dentro do cenário que não inclui queda da Selic, ao mesmo tempo em que vê a pressão sobre os preços elevada, mas não mais "resistente".

"Apesar de a inflação ainda se encontrar elevada, o Copom pondera que pressões inflacionárias ora presentes na economia... tendem a arrefecer ou, até mesmo, a se esgotarem ao longo do horizonte relevante para a política monetária", trouxe o BC por meio da ata do Comitê de Política Monetária (Copom).

"Nesse contexto, é plausível afirmar que, mantidas as condições monetárias --isto é, levando em conta estratégia que não contempla redução do instrumento de política monetária--, a inflação tende a entrar em trajetória de convergência para a meta nos trimestres finais do horizonte de projeção", acrescentou.

Na ata anterior, divulgada em julho, a autoridade monetária não havia usado a expressão "plausível" para descrever esse cenário, mas que via um cenário de "inflação resistente nos próximos trimestres", frase que retirou no documento divulgado nesta manhã.

Pela ata, o BC também reduziu a projeção de inflação para este ano, mas encontrando-se acima do centro da meta, e manteve suas contas para 2015, pelo cenário de referência. A autoridade monetária também vê que, "nos trimestres iniciais de 2016, as projeções indicam que a inflação entra em trajetória de convergência".

A meta do governo é de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

No último encontro antes da eleição presidencial em outubro, o Copom manteve a Selic em 11 por cento ao ano na semana passada, pela terceira vez seguida, e excluiu a expressão "neste momento" do texto do comunicado, sinalizando que não pretende mexer na política monetária tão cedo em meio à fraqueza da economia e com a inflação ainda elevada.

A expectativa tanto no mercado futuro de juros quanto entre analistas é de que novo ciclo de aperto monetário comece apenas em 2015.

Pela ata, o Copom também informou que vê que o ritmo de expansão da atividade doméstica tende a ser menos intenso este ano em comparação a 2013. A economia brasileira entrou em recessão no primeiro semestre, com o Produto Interno Bruto (PIB) encolhendo 0,6 por cento e 0,2 por cento respectivamente no segundo e primeiro trimestres, sobre os três meses anteriores.   Continuação...

 
Fachada da sede do Banco Central em Brasília. 15/01/2014.  REUTERS/Ueslei Marcelino