Vendas no varejo no Brasil surpreendem e caem 1,1% em julho

quinta-feira, 11 de setembro de 2014 12:21 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - As vendas no varejo brasileiro surpreenderam ao recuar 1,1 por cento em julho sobre o mês anterior, dando início ao terceiro trimestre com uma intensidade de retração não vista em quase seis anos e mostrando que a economia ainda tem dificuldades para se recuperar.

Com este resultado, as vendas no setor marcaram seis meses sem crescer e tão ruim quanto ao visto em outubro de 2008, quando a contração também foi de 1,1 por cento. Na comparação com julho de 2013, as vendas recuaram 0,9 por cento, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Os dados ficaram bem aquém das expectativas em pesquisa da Reuters, cujas medianas apontavam alta mensal de 0,50 por cento em julho e de 1,90 por cento na base anual.

"(Em julho) teve menos dias úteis por conta da Copa do Mundo e a inflação ainda contribui", disse a coordenadora da pesquisa, Juliana Vasconcelos, acrescentando que o cenário em 2014 é de economia menos favorável, com diminuição do ritmo de crédito.

Segundo o IBGE, quatro das oito atividades pesquisadas no varejo restrito tiveram queda no volume de vendas na comparação mensal, sendo o destaque Móveis e eletrodomésticos, que recuaram 4,1 por cento em julho.

Também teve peso importante a queda de 1,3 por cento em julho nas vendas de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo.

"Se você já substituiu seus bens duráveis e a conjuntura economia não esta favorável, as famílias diminuem o fôlego", afirmiou Juliana.

Com esse cenário, a receita nominal do varejo teve queda de 0,7 por cento em julho sobre o mês anterior, com alta de 5,9 por cento na base anual.   Continuação...