Agricultores argentinos retêm US$9,7 bi em estoques de soja

sexta-feira, 12 de setembro de 2014 15:44 BRT
 

Por Hugh Bronstein

BUENOS AIRES (Reuters) - Agricultores argentinos estão retendo 21,5 milhões de toneladas de soja colhidas nesta temporada, de acordo com dados do governo, com preços baixos no mercado internacional e incertezas financeiras no país levando-os a segurar um percentual maior do grão na comparação com um ano atrás.

Os produtores estão vendendo da "mão para a boca", nas palavras de um executivo do setor de exportação de grãos, liberando apenas o suficiente no mercado para pagar impostos, custos operacionais sensíveis à inflação e empréstimos bancários, que se tornaram mais caros desde o default da dívida realizado pela Argentina em julho.

A produção global de soja em 2013/14 de soja foi de 283,1 milhões de toneladas, sendo que 7,5 por cento deste volume estão retidos em fazendas argentinas.

Tomando-se como base o preço FOB (livre a bordo do navio), as reservas detidas valem 9,7 bilhões de dólares.

Se o volume chegasse ao mercado, ajudaria a pressionar ainda mais os preços internacionais, que já operam no menor patamar em quatro anos.

A Argentina é o terceiro maior exportador global de soja e o principal fornecedor de farelo de soja.

Um abismo entre o câmbio no mercado negro e a taxa oficial tem aumentado as expectativas de uma forte desvalorização antes do final do ano.

A moeda está sob pressão da inflação alta, do encolhimento da economia e do fracasso do governo em fazer o pagamento de obrigações de títulos da dívida em julho.   Continuação...