Alibaba planeja elevar tamanho de IPO por demanda avassaladora, dizem fontes

segunda-feira, 15 de setembro de 2014 13:09 BRT
 

HONG KONG, 15 Set (Reuters) - O Alibaba Group Holding planeja aumentar o tamanho de sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) por causa de "avassaladora" demanda de investidores, disseram pessoas familiarizadas com o negócio nesta segunda-feira.

A empresa chinesa de comércio eletrônico lançou seu IPO na semana passada e registrou demanda suficiente dos investidores para cobrir toda a oferta dentro de dois dias, afirmaram fontes com conhecimento do processo na semana passada.

O Alibaba poderá estabelecer um novo recorde para o maior IPO do mundo se os subscritores exercerem a opção de vender ações adicionais para atender a demanda, empurrando a operação para um patamar tão alto quanto de 24,3 bilhões de dólares, o que faria ultrapassá-la a listagem do Banco Agrícola da China de 22,1 bilhões de dólares em 2010.

A empresa e alguns acionistas ofereceram 320,1 milhões de ações negociadas nos Estados Unidos no âmbito da oferta, com uma faixa indicativa de 60 a 66 dólares por ação. O Alibaba provavelmente vai submeter uma emenda ao seu IPO ​​mais tarde nesta segunda-feira com uma faixa mais elevada de preço depois de discutir o novo preço com grandes fundos de investimento norte-americanos e investidores institucionais, disse uma das fontes.

"A demanda tem sido avassaladora desde o lançamento", disse a pessoa, que não pôde ser identificada porque os detalhes do IPO ainda não são públicos. "O aumento da faixa de preço já estava na mesa desde o início."

Mais cedo, a Bloomberg informou que o Alibaba planeja elevar a extremidade superior da faixa de preço para acima de 70 dólares.

A porta-voz do Alibaba Florence Shih se recusou a comentar o tamanho do IPO.

A Reuters noticiou na sexta-feira que o Alibaba planeja encerrar o período de pedidos de reserva mais cedo depois de receber solicitações suficientes para vender todas as ações na oferta, que está posicionada para bater recordes.

(Por Elzio Barreto e Fiona Lau)

 
Sede do grupo Alibaba em Hangzhou, na China. 23/04/2014. REUTERS/Chance Chan