Ações da SABMiller saltam com notícia do WSJ sobre interesse da AB InBev

segunda-feira, 15 de setembro de 2014 10:43 BRT
 

LONDRES (Reuters) - As ações da SABMiller chegaram a saltar 13 por cento para uma máxima histórica nesta segunda-feira, após uma notícia do Wall Street Journal afirmar que a rival de maior porte Anheuser-Busch InBev está conversando com bancos sobre o financiamento de uma possível oferta de aquisição de 122 bilhões de dólares.

O jornal, citando uma pessoa familiarizada com o tema, disse que a AB InBev não está em discussões ativas com a SABMiller, acrescentando que a companhia está aguardando alinhar o financiamento antes de fazer uma abordagem formal.

A AB InBev, líder mundial e fabricante da Budweiser e da Stella Artois, se recusou a comentar. No Brasil, a companhia controla a Ambev, maior empresa de bebidas da América Latina e responsável por quase 70 por cento do mercado de cervejas brasileiro.

A SABMiller, segunda maior cervejaria global e fabricante da Peroni e da Grolsch, não respondeu imediatamente pedidos de comentários.

A notícia vem um dia após a holandesa Heineken afirmar que foi abordada pela SABMiller sobre uma potencial aquisição, mas que seu acionista controlador pretende manter a companhia independente.

Diversos analistas viram a medida da SABMiller como uma tentativa de se esquivar de uma aquisição pela AB InBev, ou uma forma de a SABMiller possivelmente forçar a companhia maior a agir.

"Se os mecanismos ainda não estavam em movimento para outro grande acordo no setor, eles podem estar agora, já que a SABMiller pode ter lançado o desafio", disseram analistas do Grupo Santander em nota.

Especulações sobre o desejo da AB InBev de adquirir a SABMiller têm circulado há anos, com as conversas se intensificando nos últimos meses e novamente na última semana.

As ações da SABMiller subiam 8,6 por cento às 10h39 no horário de Brasília, enquanto as da AB InBev subiam 3,5 por cento e as da Heineken ganhavam 2,2 por cento.

(Por Martinne Geller em Londres, reportagem adicional de Blaise Robinson em Paris e Francisco Canepa em Londres)