Austrália eleva previsão de exportação de carne bovina em 2014/15

segunda-feira, 15 de setembro de 2014 12:20 BRT
 

SYDNEY (Reuters) - A Austrália elevou sua previsão para a exportações de carne bovina em 2014/15 em 1 por cento, enquanto uma persistente seca no país continua a forçar pecuaristas a abater animais em um ritmo acelerado, e disse que os Estados Unidos deverão aparecer como seu principal cliente.

Os embarques do terceiro maior país exportador de carne bovina deverão atingir 1,13 milhão de toneladas em 2014/15, disse o escritório de agricultura do país (Abares, na sigla original) no início da terça-feira pelo horário local. Em junho, a estimativa havia sido de 1,12 milhão de toneladas, contra um recorde de 1,18 milhão na temporada passada.

Em meio à impossibilidade de encontrar alimento e água para manter os animais vivos, o rebanho da Austrália deverá cair ao menor patamar em cinco anos, para 27,1 milhões de cabeça ao fim de 2014/15, refletindo consecutivos anos de abastes intensos, disse o Abares.

"Se as condições sazonais não melhorarem no curto prazo, a taxa de nascimento de bezerros será menor e o abate será maior que o atualmente estimado. Isso resultaria em um rebanho bovino caindo abaixo das atuais previsões", disse o Abares.

Em 2013/14 o volume de abates atingiu a máxima de 35 anos, de cerca de 9,5 milhões de cabeças, devido a condições climáticas desfavoráveis, particularmente em Queensland e no norte de Nova Gales do Sul, afirmou o órgão do governo.

Boa parte de Queensland, principal Estado produtor de bovinos do país, recebeu menos da metade da média histórica de chuvas nos últimos dois anos.

Os EUA deverão surgir como principal comprador de carne bovina australiana em 2014/15, apontaram dados do Abares, passando o Japão, que foi líder em compras nos últimos 12 anos.

O escritório projetou que os EUA irão importar 290 mil toneladas de carne bovina da Austrália, contra 265 mil toneladas do Japão, ante uma estimativa inicial de 270 mil toneladas para os dois países.

O rebanho bovino dos EUA caiu para o menor nível em 63 anos no início deste ano e, como os pecuaristas tentam recompor o rebanho, a oferta para os frigoríficos também diminui, aumentando a demanda por carne australiana, disse o Abares.   Continuação...