Brasil está saindo do mapa mundial do petróleo por políticas falhas, diz IBP

segunda-feira, 15 de setembro de 2014 21:07 BRT
 

Por Jeb Blount

SÃO PAULO (Reuters) - Investidores estão perdendo o interesse na indústria de petróleo do Brasil devido a políticas de energia que elevam os custos, reduzem a eficiência e aumentam riscos, afirmou nesta segunda-feira o secretário-executivo do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), Milton Costa Filho.

Sem mudanças, o Brasil provavelmente vai perder espaço para países como México, Irã, Iraque e Argélia, onde as políticas são cada vez mais abertas ao investimento do setor privado, na avaliação do IBP.

"Fui a três de algumas das principais conferências de petróleo do mundo e nem sequer uma menção ao Brasil", afirmou Costa Filho a repórteres em um evento da indústria no Rio de Janeiro.

Segundo ele, esse não era o cenário há poucos anos. “Mas os investidores têm outras opções agora”, afirmou. “O Brasil está saindo do mapa mundial de petróleo.”

Dentre as opções que concorrem com o Brasil, estão o aumento da produção do petróleo não convencional nos Estados Unidos e as perspectivas de petróleo do Ártico na Rússia e Noruega, acrescentou.

Os comentários de Costa Filho foram apresentados juntamente com a Agenda de Prioridades 2014-2015 do instituto.

A agenda pede que o governo brasileiro revise políticas que fortalecem o controle estatal da indústria no país, políticas essas que o IBP acredita que estão prejudicando um setor responsável por 12 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, a sétima maior economia do mundo.

Desde que essas políticas foram adotadas, a partir de 2008, na esteira de descobertas gigantes de petróleo do pré-sal, a produção brasileira de óleo e gás estagnou, apesar de mais de 200 bilhões de dólares de investimentos.   Continuação...