Descoberta de óleo em Sergipe demandará plano de produção maior, diz Petrobras

quinta-feira, 18 de setembro de 2014 18:38 BRT
 

Por Jeb Blount

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A descoberta gigante de petróleo e gás na costa de Sergipe tem hidrocarbonetos suficientes para que a Petrobras e suas parceiras indianas construam um caro gasoduto submarino e expandam o plano de produção para além de dois navios-plataforma, disse um executivo da estatal nesta quinta-feira.

A Petrobras já informou que espera instalar um navio-plataforma (também conhecido como FPSO) de 100 mil barris de capacidade de produção diária naquela região em 2018, e outro em 2010. A Petrobras espera licitar a construção do primeiro FPSO em novembro.

"Estas descobertas vão demandar mais sistemas (de produção FPSO). Até o momento temos dois programados", disse o gerente de interpretação geológica da Petrobras, Claudio Madeira, em evento do setor de petróleo no Rio de Janeiro. "Vai ser feito um gasoduto para essa área."

O gasoduto é necessário para levar o gás natural do FPSO para o continente, disse o executivo. Já o petróleo será carregado diretamente do FPSO para navios petroleiros.

Um crescente número de analistas, além de autoridades do Sergipe, têm criticado o que eles acreditam ser atrasos no desenvolvimento da jazida.

O Sergipe tem petróleo de melhor qualidade em reservatórios mais fáceis de explorar do ponto de vista técnico, na comparação com os do litoral do Sudeste, que vêm recebendo a maior parte dos investimentos recentes da Petrobras, mas que estão anos atrás do cronograma.

Madeira disse que a Petrobras ainda avalia quanto petróleo e gás foram descobertos nos poços naquela área, alguns a 300 quilômetros da costa. No entanto, fontes do setor de petróleo e autoridades disseram à Reuters um ano atrás que as reservas podem chegar a pelo menos 1 bilhão de barris de óleo recuperável.

O volume seria suficiente para abastecer os Estados Unidos, maior consumidor mundial de petróleo, por cerca de dois meses.   Continuação...