Mercados devem continuar voláteis até Dilma indicar mudança de política

domingo, 26 de outubro de 2014 22:15 BRST
 

Por Bruno Federowski e Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - Os mercados financeiros brasileiros devem abrir em baixa nesta segunda-feira e agitados, após a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) neste domingo, devido a expectativa de manutenção da atual política econômica por mais quatro anos.

O tom pessimista, como alta do dólar e queda da bolsa, deve se prolongar até que a presidente reeleita indique mudanças na condução econômica, principalmente na política fiscal, amplamente criticada por ser pouco transparente e muito frouxa, segundo disseram especialistas consultados pela Reuters.

E isso tudo em meio a um cenário internacional sensível, com fraqueza na economia europeia e expectativas de alta dos juros dos Estados Unidos.

"Eu tenho uma teoria de que o mercado vai piorar até a Dilma fazer o que o mercado quer", disse o diretor de gestão de recursos da corretora Ativa, Arnaldo Curvello.

Com 99 por cento dos votos apurados, a presidente venceu seu oponente Aécio Neves (PSDB) por 51,6 por cento a 48,4 por cento dos votos válidos.

Nas semanas que antecederam o segundo turno das eleições, os mercados financeiros no Brasil viveram uma verdadeira montanha russa, com alta volatilidade e oscilando conforme os rumores e a divulgação das pesquisas de intenção de voto.

O dólar fechou sexta-feira negociado a 2,4570 reais, após ter chegado a ser cotado a 2,50 reais durante a semana, enquanto o principal índice de ações brasileiro, o Ibovespa, encerrou a semana em queda de 6,8 por cento, refletindo expectativa de vitória da presidente.

Nos próximos dias, há quem acredite que a moeda norte-americana possa ir a 2,70 reais com a vitória de Dilma.   Continuação...

 
Eleitores da presidente Dilma Rousseff comemoram vitória na eleição deste domingo na Avenida Paulista, em São Paulo. 26/10/2014 REUTERS/Nacho Doce