Ibovespa recua após reeleição de Dilma; Petrobras PN despenca 12%

segunda-feira, 27 de outubro de 2014 14:29 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa recuava na manhã desta segunda-feira após a reeleição da presidente Dilma Rousseff no domingo, com investidores preferindo a ponta vendedora enquanto aguardam novidades sobre como a petista vai lidar com desafios relevantes no campo econômico em seu segundo mandato.

Às 12h04, o Ibovespa perdia 3,24 por cento, a 50.713 pontos, pressionado pelas ações da Petrobras e de bancos. Na mínima, o principal índice da bolsa brasileira chegou a 50.653 pontos.

De acordo com profissionais do mercado, o Ibovespa abandonou a mínima diante da avaliação de alguns investidores de que o Ibovespa em dólar estaria em um patamar barato. No ano, em dólar, o índice acumula um declínio superior a 10 por cento, considerando também o desempenho desta segunda.

O volume financeiro nesta sessão alcançava 7 bilhões de reais.

"Houve um ajuste na semana passada, mas a correção ainda deve continuar. A economia está muito mal, o quadro fiscal é péssimo e o mercado externo tem um risco crescendo, fora o risco de racionamento (de energia) no ano que vem", disse o gestor Eduardo Roche, da Canepa Asset Management.

Em outubro até o dia 24, última sessão antes da votação do segundo turno, o Ibovespa acumulava declínio de 4 por cento.

Dilma venceu com 51,6 por cento dos votos válidos, contra 48,4 por cento do candidato do PSDB, Aécio Neves. O placar foi mais apertado até do que o da eleição de 1989, quando Fernando Collor de Mello (PRN) derrotou Lula por 53,03 a 46,97 por cento.

O analista Marco Aurélio Barbosa, da CM Capital Markets, disse que há vários pontos na agenda econômica (política fiscal e monetária) e política (reforma política e combate à corrupção) que devem nortear as ações do governo nessa virada de mandato, e podem ser decisivos para o mercado financeiro.   Continuação...

 
. REUTERS/Nacho Doce (BRAZIL - Tags: BUSINESS)