Dilma estuda nomes para ministério e deve priorizar escolhas para área econômica

segunda-feira, 27 de outubro de 2014 16:47 BRST
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) está estudando a nova composição do governo, mas não deve divulgar nomes do ministério nesta semana e deve priorizar as escolhas para a área econômica, em um esforço para melhorar a interlocução de seu governo com empresários e investidores.

No domingo, logo após o discurso da vitória de Dilma sobre o tucano Aécio Neves, auxiliares da presidente e ministros afirmaram que ela descansaria por alguns dias e, somente depois, começaria as conversas para formar o novo governo.

Isso não quer dizer que Dilma já não esteja avaliando nomes: a presidente está preocupada em dar respostas rápidas em algumas áreas como a econômica, na avaliação dessas fontes.

"A presidente tem muita consciência dos limites que nós tivemos neste governo. Nós tivemos evidentemente dificuldades na área da econômica", disse a jornalistas na noite de domingo o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

Carvalho é um dos que não devem prosseguir no governo após 12 anos no Palácio do Planalto, em seu caso alegando cansaço.

Indagado sobre quando a presidente começará a anunciar nomes para o segundo mandato, ele disse que Dilma deve descansar por uns dias e depois se focará na reformulação do governo. "Vamos com calma, na primeira semana vamos descansar um pouco", disse ele. "A presidenta vai ter um tempo, naturalmente. Agora que ela vai precisar repensar a composição do novo governo, vai haver muita mudança naturalmente, porque ela já disse isso."

A equipe econômica liderada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, está com a imagem bastante desgastada perante empresários e investidores, devido ao fraco crescimento da economia, inflação perto do teto da meta e fracos resultados fiscais nos últimos anos.

Mantega também está de saída, e o mercado financeiro aguarda com ansiedade quem ocupará o seu posto, na esperança de que um novo time na Fazenda possa convencer sobre o compromisso do governo Dilma com os fundamentos macroeconômicos.   Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff, reeleita no domingo. 1/10/2014. REUTERS/Ueslei Marcelino