Tractebel não concorda com divisão de custo térmico proposta pós-redução de PLD

terça-feira, 28 de outubro de 2014 14:11 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Tractebel Energia, maior geradora privada de energia elétrica do país, é contra a proposta da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de dividir entre agentes do setor expostos ao mercado de curto prazo o custo térmico resultante de eventual queda no patamar máximo do preço de energia de curto prazo.

"Somos totalmente contra", disse o presidente da Tractebel Energia, Manoel Zaroni, em teleconferência com analistas nesta terça-feira.

A Aneel propôs redução de mais de 50 por cento no patamar máximo do Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) para o ano que vem, para 388,04 reais por megawatt-hora (MWh). A esse preço, no entanto, o PLD máximo cairia abaixo do custo de operação de muitas térmicas que devem seguir acionadas em 2015.

Essas térmicas com custo de geração acima do PLD passariam a ser pagas via Encargo do Serviço do Sistema (ESS) por agentes expostos ao mercado de curto prazo, segundo a proposta do regulador.

Geradoras de energia elétrica ficam expostas à contratação de energia no mercado de curto prazo, no qual atualmente os preços estão altos, quando não geram energia própria suficiente e não têm sobra para cumprir contratos.

"Mesmo que a resolução saia da maneira como está na audiência pública, ela tem fragilidades legais e vamos ter sólidos argumentos para combater judicialmente", disse o diretor financeiro e de Relações com Investidores da Tractebel, Eduardo Sattamini.

"Isso que está sendo proposto é a criação de um novo encargo e é inaceitável fazer isso simplesmente com uma decisão da Aneel", acrescentou.

O presidente Zaroni exemplificou que a divisão do custo dessa maneira poderia onerar um gerador eólico que gera energia renovável com custo de térmicas a óleo, caso fique exposto no mercado de curto prazo em determinado momento, dependendo do comportamento dos ventos. "Não tem o menor sentido isso. Imagina que tenha só um agente exposto. Ele vai pagar a conta total de todas as térmicas", disse.

A proposta da Aneel para redução do patamar máximo do PLD fica em audiência pública até 10 de novembro, até quando a Aneel recebe contribuições sobre o tema.   Continuação...