Fed deve encerrar um capítulo da crise mesmo com aumento de riscos globais

quarta-feira, 29 de outubro de 2014 09:10 BRST
 

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, deve encerrar nesta quarta-feira seu programa de compra de títulos para estimular a economia, fechando um capítulo controverso de sua resposta à crise mesmo que ainda lute para levar a cabo a normalização completa da política monetária.

O Fed deve anunciar ao final de dois dias de reunião que não irá mais expandir seu portfólio de títulos do Tesouro norte-americano e de ativos lastreados em hipotecas, finalizando seu programa de compra mensais, hoje em 15 bilhões de dólares. No auge, o programa injetou 85 bilhões de dólares por mês no sistema financeiro.

Embora seja um importante passo simbólico, o fim das compras ainda deixa o Fed longe de uma postura normal. Seu balanço patrimonial inflou para mais de 4 trilhões de dólares, a taxa de juros permanece em zero e eventos recentes aumentaram o risco de que o banco central dos EUA pode precisar ainda sustentar a economia por mais tempo do que esperava há apenas algumas semanas.

O comunicado que o Fed divulgará às 16h00 (horário de Brasília) será lido cuidadosamente em busca de pistas sobre como a inflação fraca, o crescimento global fraco e a volatilidade recente nos mercados financeiros influenciaram autoridades norte-americanas. Não há uma coletiva de imprensa programada para depois da reunião, nem novas projeções econômicas de autoridades do Fed.

"Eles estão preocupados sobre a economia, a global", e provavelmente vão deixar muito da linguagem intacta em vez de sinalizar progresso na direção de uma elevação dos juros, escreveu o analista do Morgan Stanley Vincent Reinhart em uma prévia da reunião.

A atenção ficará concentrada em se o comunicado do Fed continuará a fazer referência a uma "significativa" capacidade ociosa no mercado de trabalho dos EUA, e se irá continuar com linguagem indicando que os juros permanecerão baixos por um "tempo considerável", como a maioria dos economistas espera.

Os membros do Fed têm mantido as perspectivas de que a economia dos EUA irá crescer cerca de 3 por cento neste ano, com a inflação gradualmente avançando de volta a sua meta de 2 por cento.

Entretanto, crescimento global mais lento do que o esperado e a queda dos preços do petróleo colocaram esse cenário para a inflação em dúvida.

Investidores recentemente empurraram suas expectativas para uma alta inicial dos juros para o final do próximo ano como resultado, embora vários membros do Fed tenham recentemente dito que acham que o banco central ainda esteja a caminho de elevar os custos de empréstimos em meados de 2015.