Bovespa recua antes de Fed, com balanços e cortes de recomendação no radar

quarta-feira, 29 de outubro de 2014 11:55 BRST
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa recuava na manhã desta quarta-feira, pressionado pelas blue chips Petrobras e Vale, em meio a cortes de recomendações por bancos estrangeiros, além de continuidade de especulações sobre aumento - ou não - de gasolina e nova queda dos preços do minério de ferro na China.

A expectativa sobre a nova equipe econômica de Dilma Rousseff após a reeleição segue no radar de investidores, mas os holofotes nesta sessão também estão direcionados para a decisão de política monetária do banco central norte-americano e os sinais sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos.

A safra de balanços do terceiro trimestre repercutia no pregão, com Usiminas em forte queda após números fracos e resultado operacional abaixo do esperado.

Após alta superior a 3 por cento na véspera, o Ibovespa caía 0,98 por cento às 11h54, a 51.819 pontos. O volume financeiro da sessão somava 2 bilhões de reais.

"Não há razão para a bolsa subir além do atual nível, uma vez que a conjuntura econômica do Brasil segue a mesma, com o grau de investimento em risco, inflação alta e contas públicas descontroladas, além da queda em commodities", vê o gerente de renda variável da Fator Corretora, Frederico Ferreira Lukaisus.

"Vamos reagir conforme vierem os anúncios de mudança do governo, embora alterações do atual quadro devem demorar, sem contar o trabalho que exigirão", avalia.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve deve anunciar que não vai mais expandir seu portfólio de Treasuries de ativos lastreados em hipotecas, finalizando o programa de compra mensais, hoje em 15 bilhões de dólares. A foco está voltado para o comunicado e sinais sobre o rumo dos juros.

Em Wall Street, o índice S&P 500 avançava apenas 0,2 por cento logo após a abertura.   Continuação...