CENÁRIOS-Indústrias do NE buscam alternativas para fim de contrato de energia com Chesf

quarta-feira, 29 de outubro de 2014 14:32 BRST
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO (Reuters) - Grandes empresas no Nordeste com contratos de energia com a Chesf a vencer no ano que vem buscam alternativas para garantir preços de energia competitivos e algumas defendem que teriam que ser aceitas para atendimento pelas distribuidoras sob o argumento de que fazem parte do mercado regulado, e não livre, de eletricidade.

Gerdau, Vale, Braskem, Dow, Paranapanema, Ferbasa e Mineração Caraíba estão entre as indústrias do Nordeste que têm contratos de energia totalizando pelo menos 800 megawatts médios com a Chesf a vencer em junho de 2015, ao preço de cerca de 110 reais por megawatt-hora (MWh).

As sinalizações do governo federal têm sido de que esses contratos não devem ser renovados já que a maior parte dessa energia já foi transformada em cota para distribuidoras dentro da medida provisória de renovação das concessões em 2012.

Duas fontes de empresas envolvidas no tema informaram que alternativas estão sendo discutidas para garantir energia a preços competitivos para essas companhias e evitar que algumas tenham até que paralisar suas atividades com aumento desse custo. Preferencialmente, as empresas gostariam que os contratos fossem renovados com a Chesf, afirmaram.

Uma dessas fontes da indústria e uma terceira que trabalha com essas companhias acreditam na possibilidade de um regime de transição, em que o contrato com a Chesf seria estendido por um curto prazo, até que haja solução definitiva para o suprimento de energia dessas indústrias a preços competitivos. Após o fim desses "contratos-ponte", que segundo uma das fontes sugeriu poderia ser até 2018, as indústrias ou seguiriam para distribuidoras, ou poderiam adquirir energia mais barata ou até mesmo investirem em autoprodução.

A maior parte da energia da Chesf que atendia essas indústrias já virou cota, segundo nota do Ministério de Minas e Energia enviada à Reuters. "Dessa forma, apenas 121,14 megawatts (MW) médios não foram alocados em cotas e serão fornecidos até o término dos contratos em 30 de junho de 2015", informou o ministério.

Assim, desde que a energia das concessões virou cota ao final de 2012, a Chesf está complementando o fornecimento dessas indústrias com cerca de 560 MW médios da hidrelétrica Sobradinho. O restante, a empresa contratou no final de 2012 já com a expectativa de atender essas indústrias até junho de 2015, segundo uma fonte do grupo estatal.

Diante da perspectiva de fim do contrato, alguns representantes dessas indústrias no Nordeste defendem que são consumidores regulados, já que nunca fizeram o ritual de migração para o mercado livre.   Continuação...