29 de Outubro de 2014 / às 19:34 / 3 anos atrás

Dólar reduz perdas com Fed, mas fecha em queda de 0,23% ante real

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda ante o real nesta quarta-feira, mas longe das mínimas da sessão, reduzindo as perdas após o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, demonstrar confiança na recuperação da economia norte-americana.

A moeda dos EUA operou em queda durante toda a sessão, com investidores se desfazendo de apostas de que a reeleição de Dilma Rousseff (PT) impulsionaria ainda mais a divisa norte-americana e à espera da decisão do Fed.

O dólar caiu 0,23 por cento, a 2,4684 reais na venda, mas chegou a cair quase 2 por cento, a 2,4250 reais, na mínima do dia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,6 bilhão de dólares.

O Fed encerrou seu programa de compras mensais de títulos nesta quarta-feira, removendo de seu comunicado de política monetária a caracterização da ociosidade do mercado de trabalho como “significativa”. Investidores entenderam essa decisão como uma demonstração de confiança na recuperação, contrariando expectativas de que o banco central norte-americano poderia reiterar suas preocupações com a economia.

“O comunicado certamente não foi tão expansionista quanto se esperava”, afirmou o analista-chefe de mercados do Interactive Brokers, Andrew Wilkinson, ressaltando também a falta de menções do Fed às turbulências recentes nos mercados financeiros globais.

A recuperação da economia dos EUA pode abrir espaço para altas dos juros no futuro, possivelmente atraindo para a maior economia do mundo recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro. Por isso, a decisão do Fed levou o dólar a passar a subir contra moedas importantes, como o euro.

Além das expectativas sobre o Fed, o movimento de queda do dólar desta sessão também refletiu fatores técnicos.

“Todo mundo estava esperando que o dólar explodisse nesta semana, mas isso não se confirmou. A consequência é que ontem e hoje boa parte dessas apostas está sendo desmontada”, disse o economista-chefe do Espírito Santo Investment Bank, Jankiel Santos.

Alguns analistas chegaram a afirmar que a reeleição de Dilma Rousseff (PT), cuja política econômica é alvo de críticas nos mercados financeiros, poderia fazer o dólar saltar a 2,70 reais. Na segunda-feira, primeiro pregão após o segundo turno das eleições presidenciais, a moeda norte-americana teve a maior alta em quase três anos, mas corrigiu boa parte desse avanço na sessão seguinte.

Parte dos especialistas argumenta que o câmbio já havia se ajustado ao resultado eleitoral, após a perspectiva de que a petista poderia vencer a disputa tirar o dólar da casa dos 2,20 reais para perto de 2,50 reais de setembro para cá. Ainda assim, a perspectiva é de volatilidade até que haja mais definições sobre a próxima equipe econômica, sobretudo o ministro da Fazenda.

Nesta manhã, o Banco Central brasileiro vendeu a oferta total de swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, pelas atuações diárias. Foram vendidos 2,2 mil contratos para 1º de junho e 1,8 mil para 1º de agosto de 2015, com volume correspondente a 197,7 milhões de dólares.

O BC também vendeu a oferta total de até 8 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em 3 de novembro. Ao todo, a autoridade monetária já rolou cerca de 93 por cento do lote total, equivalente a 8,84 bilhões de dólares.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below