Fed encerra compra de títulos e mostra confiança na recuperação dos EUA

quarta-feira, 29 de outubro de 2014 17:46 BRST
 

Por Howard Schneider e Michael Flaherty

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, encerrou nesta quarta-feira seu programa de compra de títulos e deixou de caracterizar como "significativa" a capacidade ociosa no mercado de trabalho, em um sinal de confiança nas perspectivas da economia.

Em um comunicado divulgado depois da reunião de dois dias, o banco central desconsiderou amplamente a recente volatilidade no mercado financeiro, a desaceleração no crescimento da Europa e a perspectiva de inflação fraca como obstáculos para o progresso a caminho das metas de desemprego e inflação.

"Uma série de indicadores do mercado de trabalho sugere que a subutilização dos recursos de trabalho está gradualmente diminuindo", disse o Fed, em uma importante mudança em relação aos comunicados anteriores, quando descrevia a ociosidade como "significativa".

Os principais índices acionários dos EUA ampliaram as quedas depois do comunicado, enquanto os yields do Treasury de 10 anos atingiram o maior nível em três semanas. O dólar subiu em relação ao euro, com os investidores adiantando suas expectativas de uma eventual alta gradual dos juros. As taxas passaram a mostrar chances majoritárias de aumento de juros em setembro de 2015.

"Foi uma grata surpresa que eles retiraram a referência à subutilização significativa de recursos trabalhistas", disse o estrategista-chefe de portfólio do Wells Fargo, Brian Jacobsen. "Eu acho que isto é um reconhecimento de algum progresso no mercado de trabalho".

O Fed manteve sua linguagem básica de comunicados recentes em relação à taxa de juros, afirmando que ela permanecerá baixa por um "tempo considerável" após o fim das compras de ativos neste mês.

O momento e o ritmo de alta dos juros vão depender dos indicadores econômicos, disse o Fed, uma nova linguagem que aparentemente ganhou o apoio dos presidentes do Fed da Filadélfia e de Dallas, Charles Plosser e Richard Fisher, respectivamente, que haviam sido votos dissidentes a reunião anterior.

  Continuação...