31 de Outubro de 2014 / às 13:57 / em 3 anos

COLUNA-Emprego forte ajuda BC a elevar juro mesmo com economia fraca

(A autora é editora de Macroeconomia do Serviço Brasileiro da Reuters. As opiniões expressas são da autora do texto)

Por Patrícia Duarte

SÃO PAULO (Reuters) - Entre a cruz e a espada. Esse deve ter sido o ânimo na reunião do Banco Central de quarta-feira e que resultou na maior surpresa dos últimos anos em uma decisão sobre a taxa básica de juro, com os oito membros do Comitê de Política Monetária (Copom) encurralados por um cenário de preços em alta e atividade econômica anêmica.

O mandato oficial do BC é zelar pelo controle da inflação. Mas também não se pode fechar os olhos completamente para os efeitos finais que cada passo da política monetária tem em empresários e consumidores.

Para os cinco membros do Copom, entre eles o presidente do BC, Alexandre Tombini, que optaram por elevar a Selic em 0,25 ponto percentual, uma das variáveis levada em consideração foi o mercado de trabalho ainda bastante robusto no país.

A visão deles --ou aposta, podem dizer alguns-- é de que o forte nível de emprego ajudaria a amortecer os efeitos perversos que uma alta na Selic tem na economia real, já fragilizada. Ninguém esquece que o Brasil entrou em recessão técnica no primeiro semestre, situação que não acontecia desde a crise financeira global de 2008/2009.

Menos exuberante, é verdade, mas os indicadores de trabalho ainda têm seu brilho e foram bastante usados pela presidente Dilma Rousseff (PT) em sua campanha para a reeleição, garantida no domingo passado.

A taxa de desemprego medida pelo IBGE fechou setembro em apenas 4,9 por cento, mesmo com a criação de vagas formais tendo sido a menor para o mês em 13 anos, mostrou o Mistério do Trabalho. Enquanto isso, a renda real --descontada a inflação-- continua em alta: a média dessa variável de janeiro a setembro cresceu 2,65 por cento ante igual período de 2013.

Cinco membros do Copom decidiram elevar a Selic para 11,25 por cento ao ano, enquanto outros três votaram por sua manutenção em 11 por cento, patamar em que a taxa ficou estagnada desde abril passado após um ciclo de aperto monetário que tirou o juro da mínima histórica de 7,25 por cento.

A manutenção da Selic no nível de 11 por cento até a penúltima reunião do BC, no começo de setembro, ocorreu apesar de a inflação medida pelo IPCA ter rompido em vários momentos o limite superior da meta do governo --de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Muitos entendiam que o BC estava evitando elevar os juros para não comprometer ainda mais o crescimento econômico, às vésperas de uma eleição presidencial na qual Dilma encarou chances reais de derrota contra dois adversários: primeiro para Marina Silva (PSB) e, depois, para Aécio Neves (PSDB).

O novo ciclo de aperto monetário vai moderar a busca por empréstimos, reconheceu o próprio BC nesta quinta-feira, mas a autoridade ainda acredita que a expansão do mercado de crédito no país será de 12 por cento neste ano, abaixo dos quase 15 por cento vistos em 2013.

Ainda assim, isso não é nada mal perto da expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de apenas cerca de 0,3 por cento neste ano, como projetam economistas.

É claro que o mercado de trabalho não é uma espécie de varinha de condão que, num passe de mágica, é capaz de anular os efeitos na atividade econômica do novo ciclo de alto do juro iniciado agora.

Existe aí também o fator expectativas que, no pós-eleições, tem se desenhado diferente daquele que imperava até poucos dias antes da votação de 26 de outubro, com agentes econômicos e investidores céticos quanto às chances de mudanças na política econômica num segundo mandato de Dilma.

A alta surpresa da Selic está sendo capaz de alimentar esperanças contrárias de que, de fato, a política econômica pode ser diferente daqui para frente. Para citar dois exemplos, com a crença de que o BC conseguirá fazer o que tem de ser feito para domar a inflação e de que até a política fiscal será melhor conduzida.

Ou seja, com os novos rumos do governo, empresários e consumidores tendem a ficar mais animados e, mesmo com o peso de juros mais altos imediatamente, olhem para frente com menos pessimismo.

De novo: trata-se aqui de uma visão. Ou aposta?

* Esta coluna foi publicada em 30 de outubro no terminal financeiro Eikon, da Thomson Reuters.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below