31 de Outubro de 2014 / às 14:38 / 3 anos atrás

PDG se concentra na redução da alavancagem até meados de 2016

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A PDG Realty vai se concentrar na redução de alavancagem em 2015 e parte de 2016 para retomar o crescimento do retorno sobre o patrimônio, estratégia que faz parte da segunda fase de seu plano de reestruturação, enquanto espera geração de caixa significativa já no próximo ano.

A construtora e incorporadora divulgou na véspera prejuízo maior no terceiro trimestre, embora tenha tido geração de caixa no período, levando a uma alta de mais de 8 por cento das ações nesta sexta-feira.

O diretor financeiro da PDG, Marco Kheirallah, reiterou que a companhia vai gerar caixa de forma significativa em 2015.

“A gente vai passar a ver trimestre atrás de trimestre de gerações de caixa muito positivas. A ordem de grandeza de geração de caixa para o ano que vem é de bilhões”, afirmou em teleconferência com analistas nesta sexta-feira o diretor financeiro da companhia, Marco Kheirallah.

Segundo o diretor-presidente da PDG, Carlos Piani, o foco no próximo ano e parte de 2016 é a redução da alavancagem.

“Um nível ótimo de alavancagem vai acontecer nos próximos trimestres e a retomada do retorno sobre patrimônio vai ocorrer”, disse ele.

Em 2013, a PDG iniciou um processo de reestruturação, cuja primeira fase previa a retomada da geração de caixa. No segundo momento, a expectativa é a retomada do retorno sobre capital, seguida de uma melhora operacional efetiva e um retorno sobre capital superior à média do mercado.

Do lado operacional, a companhia se manterá focada na redução de estoques, com a possibilidade de fazer nova ações de descontos nos próximos meses, ainda que menores do que a campanha realizada em agosto deste ano, disseram os executivos.

Após lançar quatro empreendimentos no terceiro trimestre, a companhia já possui dois novos empreendimentos no Rio de Janeiro, um residencial com valor geral de vendas (VGV) de 40,5 milhões de reais, e outro comercial, com VGV de 100,5 milhões.

Ainda estão previstos os lançamentos de dois empreendimentos em São Paulo e Campinas (SP), com VGV de 69,1 milhões e 63,3 milhões de reais, respectivamente.

“Hoje a gente está mais preparado para crescer do que antes, mas estamos respeitando a atividade macro para ver o melhor momento para este crescimento”, disse o presidente.

Sobre os cancelamentos de contratos, Piani afirmou que, a PDG deve sofrer menos nos próximos trimestres do que a média de mercado. No terceiro trimestre, a PDG teve desaceleração no volume de distratos, que somaram 102 milhões, abaixo da média recente, de 210 milhões de reais. Um ano antes, o cancelamento de contratos havia sido de 537 milhões de reais.

Às 12h32, as ações da companhia subiam 8,11 por cento, a 1,20 real, enquanto o Ibovespa aumentava 1,73 por cento.

Por Juliana Schincariol

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below