October 31, 2014 / 7:38 PM / 3 years ago

Dólar sobe quase 3% ante real após 3 dias de queda; volatilidade deve continuar

3 Min, DE LEITURA

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu quase 3 por cento ante o real nesta sexta-feira, encerrando o volátil mês de outubro com alta de mais de 1 por cento. Segundo analistas, a instabilidade deve continuar até que surjam sinais concretos de mudança na política econômica da presidente Dilma Rousseff.

Há uma semana, investidores se mostravam muito pessimistas com a possibilidade de reeleição da petista, confirmada no domingo. A decisão do Banco Central de elevar a Selic nesta semana, contudo, despertou a expectativa de uma política econômica mais favorável ao mercado nos próximos quatro anos, reduzindo temporariamente a pressão sobre o câmbio.

"Assim como houve um exagero no pessimismo com a reeleição da Dilma, houve um exagero no otimismo ontem", disse o operador de câmbio da corretora Intercam Glauber Romano.

O dólar avançou 2,94 por cento, a 2,4787 reais na venda, após três sessões seguidas de queda. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,05 bilhão de dólares.

Em outubro, marcado por oscilações fortes devido às eleições presidenciais, a moeda variou entre 2,38 reais, na mínima, e 2,51 reais, na máxima.

A volatilidade implícita nas opções de 1 mês de dólar está entre 15 e 17 por cento, o que significa que operadores apostam em uma oscilação dessa magnitude, em qualquer direção, nesse período. Desde o início da disputa eleitoral, a volatilidade tem se mantido perto de níveis não vistos desde o fim de 2013.

A volatilidade tem resistido até mesmo à perspectiva de que o BC continue atuando diariamente no mercado no ano que vem, injetando liquidez.

O principal motivo de preocupação dos mercados é a política fiscal do governo, que investidores consideram excessivamente expansionista e pouco transparente. Nesta quinta-feira, o governo admitiu que reduzirá a meta de superávit primário de 2014, após o forte déficit fiscal apurado neste ano até setembro.

"O problema é que, agora, o mercado não sabe se monta posições pensando em quatro anos de mais do mesmo ou em uma melhora na política econômica", afirmou o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues.

"Enquanto não tivermos sinais mais claros sobre isso, o mercado não vai encontrar um equilíbrio", acrescentou ele.

Nesta manhã, a autoridade monetária vendeu a oferta total de até 4 mil swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, por meio de seu programa de atuações diárias. Foram vendidos 750 contratos para 1º de junho e 3,25 mil para 1º de setembro de 2015, com volume correspondente a 197,5 milhões de dólares.

Analistas esperam que o BC continue reagindo à volatilidade com as rolagens de swaps. Neste mês, praticamente todo o lote de swaps que vencem na segunda-feira foi reposto e a expectativa é de que esse ritmo continue no mês que vem.

Edição de Gustavo Bonato, Flavia Bohone e Walter Brandimarte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below