Argentina acusa Procter & Gamble de fraude fiscal e diz ter suspendido operações

segunda-feira, 3 de novembro de 2014 08:56 BRST
 

Por Hugh Bronstein e Nandita Bose

(Reuters) - A Argentina acusou a Procter & Gamble, maior fabricante mundial de produtos domésticos, de fraude fiscal e disse ter suspendido as operações da empresa no país, de acordo com um comunicado emitido no domingo pela autoridade tributária argentina (Afip).

Não ficou claro qual o significado da suspensão pelo governo, e a companhia não quis comentar se suas operações chegaram a ser interrompidas.

A Argentina acusou a empresa de superfaturar 138 milhões de dólares em importações para assim conseguir retirar dinheiro do país, segundo o comunicado, publicado no site da Presidência argentina.

"A P&G canalizou dinheiro para o estrangeiro e escondeu receitas que eram sujeitas a impostos na Argentina", disse o texto.

"Temos que dar um fim a esses truques usados por companhias internacionais", acrescentou o comunicado.

O porta-voz da Procter & Gamble Paul Fox disse que a companhia está trabalhando para entender plenamente as acusações e trabalhar para resolvê-las.

"Não buscamos práticas de planejamento fiscal agressivas, já que simplesmente não produzem resultados sustentáveis", disse ele, acrescentando que a produtora de bens de consumo valoriza seu relacionamento com a Argentina e seus consumidores.

A Procter & Gamble opera na Argentina desde 1991 e atualmente possui três fábricas e dois centros de distribuição no país.   Continuação...