Itaú Unibanco acelera crédito, rentabilidade e lucro no 3º tri

terça-feira, 4 de novembro de 2014 08:26 BRST
 

Por Aluísio Alves e Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco apresentou resultados vigorosos do terceiro trimestre, com um mix de aceleração do crédito, aumento da rentabilidade e do lucro e melhora da qualidade da carteira.

No período, o maior banco privado do país teve uma alta de 35,3 por cento do lucro líquido na comparação com igual etapa de 2013, para 5,404 bilhões de reais. Em bases recorrentes, o lucro de 5,457 bilhões de reais foi 35,7 por cento maior ano a ano. O número também veio acima da previsão média de analistas ouvidos pela Reuters, de 5,029 bilhões de reais.

O resultado veio apoiado na aceleração dos financiamentos, cujo estoque total evoluiu 10,2 por cento em 12 meses até setembro, para 503,345 bilhões de reais, com destaque para segmentos de menor risco, como imobiliário e consignado.

No mês passado, o banco havia informado que sua carteira de crédito cresceria aproximadamente 8 por cento em 2014, abaixo da faixa prevista antes, de 10 a 13 por cento. No entanto, o grupo não modificou oficialmente sua previsão para o ano.

O avanço nas concessões veio seguido de redução dos atrasos acima de 90 dias, que no fim de setembro respondiam por 3,2 por cento do estoque de financiamentos, a nova queda consecutiva e a menor desde a fusão entre Itaú e Unibanco, em 2008. No terceiro trimestre do ano passado, o índice tinha sido de 3,9 por cento.

As despesas do banco com provisões para perdas com calotes somaram 3,902 bilhões de reais no trimestre, alta de 5,1 por cento na base sequencial e de 3,9 por cento ano a ano.

As receitas do grupo com tarifas e serviços evoluíram 17,3 por cento no comparativo anual, para 6,56 bilhões de reais.

A rentabilidade sobre o patrimônio líquido, que mede como os bancos remuneram o capital de seus acionistas, ficou em 24,7 por cento, alta de 3,8 pontos percentuais ante igual trimestre de 2013.

 
Fachada de uma agência do Itaú no Rio de Janeiro. 29/01/2014. REUTERS/Sergio Moraes