Dólar sobe ante real pela 5ª sessão e renova máxima desde 2005

quinta-feira, 6 de novembro de 2014 17:16 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu mais de 1,8 por cento ante o real nesta quinta-feira, avançando pelo quinto pregão consecutivo, e renovou a máxima de fechamento em nove anos e meio, ainda refletindo o quadro de incertezas sobre o futuro da política econômica no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

A moeda norte-americana subiu 1,82 por cento, a 2,5607 reais na venda, acumulando alta de 6,35 por cento nos últimos cinco pregões. É o maior nível de fechamento desde abril de 2005.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 800 milhões de dólares.

"O fator local é de indefinições e, quando você não sabe o que vem pela frente, você corre para o dólar", disse o especialista em câmbio da corretora Icap, Italo Abucater.

Investidores querem mais detalhes sobre como será gerenciada a política econômica, sobretudo a fiscal, criticada por ser excessivamente expansionista e pouco transparente. Pela manhã, o Banco Central afirmou por meio da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que a política fiscal deve rumar para a neutralidade, o que desagradou investidores.

Os mercados também querem saber quem será o próximo ministro da Fazenda, substituindo Guido Mantega. E essa pergunta não deve ser respondida tão cedo, após Dilma afirmar, na véspera, que só anunciará seu indicado ao posto após a reunião do G20, em 15 e 16 de novembro.

Essas incertezas têm limitado o giro financeiro do mercado de câmbio, deixando as cotações sensíveis a operações pontuais e aumentando a volatilidade.

"O mercado tem operado com base em expectativas e, por enquanto, tem muita incerteza. Não dá para montar posições de longo prazo", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.   Continuação...