Dilma reconhece inflação e promete olhar gastos "com lupa", dizem jornais

quinta-feira, 6 de novembro de 2014 19:35 BRST
 

(Reuters) - A presidente Dilma Rousseff reconheceu nesta quinta-feira que o aumento da inflação é um problema e prometeu, em entrevista aos quatro principais jornais do país, que vai realizar cortes nos gastos governamentais para ajudar a controlar o aumento dos preços.

Dilma disse que o governo vai ter de "fazer o dever de casa" e apertar o controle sobre a inflação, informaram os jornais Folha de S.Paulo, O Globo, O Estado de S. Paulo e Valor Econômico em seus sites. A presidente também prometeu analisar os gastos do governo "com lupa".

"Nós temos um problema interno com a inflação", disse Dilma, segundo os jornais. "Vamos ter de apertar o controle da inflação."

Na entrevista no Palácio do Planalto, Dilma também afirmou que "sempre haverá gastos para cortar" e, de acordo com as publicações, sinalizou que o controle da inflação será feito por meio de cortes de gastos, e não somente com a elevação da taxa de juros.

"Vamos fazer o dever de casa, apertar o controle da inflação e teremos limites fiscais. Vamos reduzir os gastos. Vamos olhar todas as contas com lupa e ver o que pode ser reduzido e o que pode ser cortado. Temos que fazer um ajuste em várias coisas, várias contas podem ser reduzidas", afirmou a presidente na entrevista.

A presidente não deu detalhes sobre as áreas que seriam alvos de redução de gastos mas, de acordo com o Valor, sinalizou que deve revisar as regras das pensões por morte, dos abonos salariais e do seguro-desemprego, que a presidente classificou, segundo o jornal, como "um grande patrocinador de fraudes".

A inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulada em 12 meses até setembro ficou em 6,75 por cento, acima do teto meta do governo, que é de 4,5 por cento ao ano, com margem de tolerância de 2 pontos percentuais. Nesta sexta-feira, o IBGE divulga o IPCA de outubro, e a expectativa é que o índice tenha desacelerado, mas que se mantenha acima do teto da meta em 12 meses. [nL1N0SU1HE]

Em sua última reunião, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou a taxa básica de juros para 11,25 por cento ao ano e, nesta quinta, a ata da reunião sinalizou que novas elevações de juros estão a caminho. [nL1N0SW0MI]

  Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff durante encontro com líderes do PSD no Palácio do Planalto em Brasília. 05/11/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino