ENTREVISTA-Mercado global de café estará em déficit de 800 mil sacas em 14/15, diz OIC

sexta-feira, 7 de novembro de 2014 17:38 BRST
 

ADIS-ABEBA (Reuters) - O mercado global de café estará em déficit de 800 mil sacas de 60 kg na temporada 2014/15, por perdas na colheita de arábica pela seca no maior produtor global, o Brasil, e problemas causados por doença fúngica na América Central, afirmou uma autoridade da Organização Internacional do Café (OIC).

Apesar disso, o mundo tem estoques suficientes para atender ao consumo projetado de 146 milhões de sacas, disse nesta sexta-feira à Reuters o diretor-executivo da OIC, o brasileiro Roberio Oliveira Silva, durante conferência na Etiópia.

Ainda assim, a projeção --a primeira vez que a OIC colocou um número sobre o déficit esperado-- vai reforçar a preocupação de que os danos da seca no Brasil levem a uma menor safra em 2015/16 no país. Seria o primeiro déficit global no mercado global de café em cinco anos.

Silva disse que a demanda por arábica do Brasil em 2015/16 vai superar a oferta em 3 milhões de sacas. Essa é uma porção importante das exportações anuais projetadas em 32,5 milhões de sacas.

Ele afirmou que, apesar da falta de estimativas governamentais, acredita que a produção brasileira de arábica vai ser significativamente afetada na próxima temporada.

"Minha percepção sobre isso, sendo um brasileiro e falando com muitas pessoas do Brasil, sem ter uma estimativa do governo, é que vamos ter problemas no próximo ano em termos de safra", afirmou Silva.

"A questão principal continua a ser o potencial da próxima safra no Brasil, para 2015/16", disse Silva. "A safra de arábica vai sofrer."

Problemas na safra do Brasil, juntamente com os danos de uma doença fúngica conhecida como roya na América Central, impulsionaram os preços do café arábica na ICE Futures neste ano para máximas de dois anos e meio de 2,2910 dólares por libra-peso, embora desde então eles tenham caído para até 1,8640 dólar.

Silva acrescentou que a arbitragem entre arábica e o café robusta, mais barato e de menor qualidade, dobrou nos últimos seis meses, causando um deslocamento da demanda em direção ao robusta.

(Por Aaron Maasho)

 
Trabalhador seleciona grãos de café em fábrica no Quênia. 24/07/2014 REUTERS/Thomas Mukoya