Economistas elevam projeção para a Selic a 12,50% em 2015

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014 09:48 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Depois de o Banco Central ter acelerado o ritmo de aperto monetário na última reunião do ano, economistas de instituições financeiras passaram a ver a Selic mais alta em 2015, apontou a pesquisa Focus da própria autoridade monetária divulgada na segunda-feira.

A estimativa agora é de que a taxa básica de juros encerrará o próximo ano a 12,50 por cento, contra 12 por cento no levantamento anterior.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC intensificou o ritmo de aperto monetário ao elevar a Selic em 0,50 ponto percentual, a 11,75 por cento ao ano, mas indicou que pode reduzir a intensidade em breve.

Por enquanto, os economistas consultados no Focus veem mais três altas seguidas da taxa básica de juros nas reuniões de janeiro, março e abril, todas de 0,25 ponto percentual.

Já no mercado futuro de juros, a maioria das apostas é de aumento de 0,50 ponto percentual na Selic no encontro do Copom de janeiro do Copom, segundo dados da Reuters.

A divulgação da ata do Copom na quinta-feira deve trazer mais luz sobre os próximos passos a serem tomados, num cenário de inflação que continua pressionada e que não deve arrefecer segundo os especialistas consultados no Focus.

A projeção de alta do IPCA neste ano foi reduzida em 0,05 ponto percentual, a 6,38 por cento, mas para 2015 o índice oficial é estimado em 6,50 por cento, sobre 6,49 por cento antes.

Com isso, a estimativa para este ano permanece dentro da meta, mas a de 2015 fica exatamente no topo do objetivo, que é de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos. Em novembro, o IPCA acelerou a alta a 0,51 por cento, permanecendo acima do teto com da meta com 6,56 por cento.

Em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, o Focus mostrou ligeira redução da projeção de crescimento a 0,18 por cento, ante 0,19 por cento na semana passada. Para 2015, a estimativa caiu a 0,73 por cento, sobre 0,77 por cento.   Continuação...