GPA mantém em R$1,8 bilhão investimento em 2015, mas acelera abertura de lojas

terça-feira, 9 de dezembro de 2014 18:24 BRST
 

Por Marcela Ayres

SÃO PAULO (Reuters) - O Grupo Pão de Açúcar, maior varejista do país, manterá em 2015 o investimento anual de 1,8 bilhão de reais que vem realizando desde 2013 e a estratégia de fazer mais com menos, vendo espaço para elevar a abertura de lojas diante de um cenário mais favorável para a negociação de aluguéis e terrenos.

Segundo o presidente-executivo da companhia, Ronaldo Iabrudi, a área de vendas total do grupo deverá crescer 6 por cento em 2015, ante expansão de 5 por cento prevista para este ano.

Para isso, a previsão do grupo é de contratação de 20 mil funcionários no próximo ano, impulsionando o quadro da empresa que já é uma das maiores empregadoras privadas do país.

"Eu acho que tem cenário (macroeconômico) complexo, mas é uma oportunidade", afirmou o executivo, em conversa com jornalistas nesta terça-feira.

"Concretamente, você vai ter mais disponibilidade de terreno, vai ter valor menor e vai ser mais ágil nas negociações", completou o executivo, afirmando que para aluguéis, a companhia está sentindo maior flexibilidade dos proprietários em relação aos preços inicialmente pedidos.

Sem especificar o número de novas lojas estimadas para 2015, o presidente do GPA se limitou a dizer que as aberturas superarão as deste ano. Após ter inaugurado 96 lojas em todas as suas bandeiras nos nove primeiros meses de 2014, o grupo vai acelerar expressivamente o ritmo no último trimestre para chegar à cerca de 200 novos pontos no consolidado do ano.

A gigante do varejo, que controla bandeiras como Extra, Assaí e Pão de Açúcar, além da Via Varejo, de móveis e eletrodomésticos, e a Cnova, de comércio eletrônico, manterá no ano que vem a estratégia de investir em competitividade de preços na divisão alimentar, buscando ganhos de eficiência para preservar sua rentabilidade.

"Vamos continuar reduzindo despesas, vamos continuar trabalhando forte em sinergias, vamos continuar trabalhando forte para a companhia ter uma eficiência maior e vamos passar isso para a competitividade (de preços)", disse Iabrudi.   Continuação...