Liquidação de operações do mercado de energia de outubro soma R$3,2 bi

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 10:51 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - As operações no mercado de energia de curto prazo de outubro liquidaram 3,216 bilhões de reais de um total de 3,386 bilhões levados à liquidação, com adimplência de 94,96 por cento, conforme dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

De janeiro a outubro deste ano, a inadimplência acumulada é de 0,47 por cento, quando foram contabilizadas e concluídas operações referentes a 36,1 bilhões de reais. A inadimplência acumulada é de 170,6 milhões de reais.

Na liquidação de outubro, houve a participação de 2.587 agentes do setor elétrico, sendo 2.145 credores e 442 devedores. Onze deles estão inadimplentes, sendo que nove possuem procedimento de desligamento por descumprimento de obrigação já iniciado e dos quais quatro estão cobertos por liminares. 

A liquidação das operações de outubro foi a última a contar com recursos de empréstimo tomado com bancos para ajudar nos gastos das distribuidoras de energia. Nessa última liquidação foram repassados 1,18 bilhão de reais às concessionárias, visando cobrir despesas das distribuidoras de energia com a exposição involuntária ao mercado de curto prazo e com o acionamento de termelétricas.

Para as liquidações das operações de novembro e dezembro deste ano, as quais estima-se somarão cerca de 3 bilhões de reais em gastos pelas distribuidoras, ainda não foi definida nova ajuda do governo federal às distribuidoras.

O diretor da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Marco Delgado, disse na segunda-feira à Reuters que há risco de inadimplência se não houver ajuda.

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse a jornalistas na terça-feira que uma eventual nova ajuda às distribuidoras deve sair até janeiro.

As liquidações das operações de novembro e dezembro ocorrem, respectivamente, em janeiro e fevereiro de 2015.

(Por Anna Flávia Rochas)

 
. REUTERS/Nacho Doce (BRAZIL - Tags: BUSINESS ENVIRONMENT)