Eletrobras aprova repactuação de dívidas de R$8,5 bi com Petrobras

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014 11:35 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Eletrobras informou nesta sexta-feira que seu conselho de administração aprovou a repactuação de dívidas de suas distribuidoras com Petrobras no total de 8,5 bilhões de reais, referente a compra de combustível, com pagamento em 120 parcelas a ser iniciado a partir de fevereiro do ano que vem.

Desse total, 3,2 bilhões de reais são referentes ao fornecimento de gás e o valor de 5,3 bilhões de reais referentes ao fornecimento de óleo.

Do total da dívida, a Eletrobras tem garantia da União Federal para pagamento de 4,2 bilhões de reais --valor que foi reconhecido pelo governo federal como dívida que a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) tem com a Eletrobras, ou seja, valores que não foram repassados a estatal para a compra de combustível, conforme deveria ter ocorrido.

Desde 2012, a CDE assumiu, entre outras obrigações, as que antes ficavam a cargo da Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), encargo usado para subsidiar a compra de óleo para as termelétricas dos sistemas isolados da região Norte. Acontece que a CDE deixou de repassar à Eletrobras parte dos montantes destinados à compra do óleo.

A Eletrobras ainda busca o reconhecimento de outros créditos referentes ao reembolso de custos de combustíveis, no valor de 4,3 bilhões de reais, com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Em comunicado, a Eletrobras disse que as dívidas com a Petrobras já estão reconhecidas em balanços das distribuidoras de energia. O saldo devedor será corrigido pela taxa de juros Selic.

O conselho da estatal elétrica ainda aprovou celebração de termo de repactuação de dívida da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) no total de 4,2 bilhões de reais, em que o fundo reconhecerá ser devedor das distribuidoras da companhia Amazonas Energia (AM), Boa Vista (RR) e Ceron (RO).

A Eletrobras informou que as operações estão condicionadas à aprovação de órgãos competentes, e instrumentos contratuais ainda precisam ser assinados entre as partes envolvidas.

Ainda não está claro como a Eletrobras irá receber esses créditos da CDE mas, para respeitar os termos do pagamento da dívida com a Petrobras, terá que receber pelo menos parte dos valores do Tesouro até fevereiro de 2015.   Continuação...