Com forte incerteza, dólar sobe a R$2,65 e renova máxima em quase 10 anos

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014 17:17 BRST
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta, a 2,65 reais, mas longe das máximas da sessão, impulsionado por diversos fatores econômicos e até políticos, como apreensão dos investidores diante da queda dos preços do petróleo e o futuro do programa de intervenções do Banco Central no câmbio.

A moeda norte-americana avançou 0,14 por cento, a 2,6512 reais, após alcançar 2,6785 reais na máxima da sessão. Trata-se do maior nível de fechamento desde 1º de abril de 2005 (2,660 reais). Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 2 bilhões de dólares.

Na semana, a divisa acumulou alta de 2,23 por cento.

"Você tem muitas interrogações no mundo e muitas interrogações no Brasil. Isso tudo preocupa o investidor e o deixa com pé atrás para investir aqui", disse o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues.

No cenário externo, a derrocada dos preços do petróleo às mínimas em mais de cinco anos tem alimentado a aversão ao risco, diante do cenário de menor atividade global.

Soma-se a isso a expectativa de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, elevará sua taxa básica de juros no ano que vem, o que deve atrair para a maior economia do mundo capitais aplicados em outros mercados, como o brasileiro.

Internamente, crescia a tensão em relação à possibilidade de o BC brasileiro diminuir sua atuação no câmbio no ano que vem. Atualmente, ela é feita por ofertas diárias de até 4 mil swaps cambiais, equivalentes a venda futura de dólares, e está marcada para durar até o fim deste ano. O presidente da autoridade monetária, Alexandre Tombini, tem dito que o atual estoque de swaps já dá conta da demanda por proteção cambial.

"O programa do BC é o principal foco do mercado no curto prazo. O mercado está colocando cada vez mais no preço o término do programa, para se proteger enquanto o BC não se pronuncia", disse o operador de um importante banco internacional.   Continuação...