Executivos da Petrobras são alvo de 8 processos na CVM por operação Lava Jato, dizem fontes

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014 17:46 BRST
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - Executivos da Petrobras são alvo de oito processos em curso na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) devido às denúncias de suposto esquema de corrupção na companhia oriundas da operação Lava Jato, disseram três fontes com conhecimento do assunto.

Há atualmente 17 ações protocoladas no órgão regulador envolvendo a petroleira estatal, embora nem todos estejam ligados exclusivamente às denúncias de corrupção.

A autarquia, que começou a investigar o assunto formalmente em outubro, após virem a público detalhes do suposto esquema de corrupção revelados por meio de delação premiada, está aglutinando os diferentes processos para agilizar as investigações.

"A investigação começou quando houve impacto do noticiário nas ações e o reconhecimento da própria empresa de que havia uma investigação interna", disse uma das fontes com conhecimento direto do assunto. Todas as fontes pediram anonimato porque as investigações são sigilosas.

Segundo uma das fontes, a ação da CVM busca detectar se executivos atuais e antigos da diretoria e membros do conselho de administração da Petrobras não cumpriram com dever fiduciário e de lealdade com a companhia, ao não relatarem irregularidades das quais teriam tido conhecimento.

Procurada, a Petrobras não pode comentar o assunto de imediato. Representantes da CVM afirmaram que o órgão não vai se pronunciar.

Punições podem incluir advertência, multa e proibição para ocupar cargos em empresas abertas por um prazo de até 20 anos.

Segundo as fontes, as investigações envolvem também as empresas que prestaram serviços de auditoria independente à Petrobras. Os nomes dessas empresas vão depender de eventuais revelações das investigações referentes a períodos em que as irregularidades tenham acontecido.   Continuação...