ENTREVISTA-Petroleira Total diz que licenciamento ambiental atrasa exploração no país

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 19:12 BRST
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A demora na liberação de licenciamentos ambientais para as atividades exploratórias em blocos de petróleo arrematados na décima primeira rodada, realizada pelo Brasil em 2013, deve atrasar o início das atividades em algumas áreas arrematadas pela petroleira francesa Total, afirmou nesta segunda-feira o presidente da unidade brasileira Denis Palluat.

A Total avalia que as atividades de perfuração nos blocos adquiridos ocorrerão um ano depois do previsto, por conta da demora no licenciamento.

"É uma questão de regulamentação e de licenciamento ambiental. Isso leva muito tempo. As perfurações só poderão acontecer em 2016 e 2017", afirmou Palluat em entrevista à Reuters, após evento no Rio de Janeiro.

Palluat disse que o licenciamento dessas áreas está lento, atrapalhando os planos da petroleira, uma queixa já manifestada por entidades representantes do setor.

"O licenciamento atrapalha um pouco... Exploração é um trabalho demorado e de longo prazo."

Procurado, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o órgão trabalha "dentro do cronograma, como determina a própria legislação".

O Ibama disse ainda desconhecer atrasos para a liberação de licenças para exploração.

Ao todo, a Total atua em 13 blocos no Brasil e é operadora em sete deles, segundo a assessoria de imprensa da empresa.   Continuação...