Fed mostra confiança em economia dos EUA e abre mais a porta para alta de juros

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 18:47 BRST
 

Por Howard Schneider e Michael Flaherty

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, deu um forte sinal de que está caminhando para elevar os juros em algum momento do ano que vem, alterando a promessa de manter as taxas perto de zero por um "tempo considerável", numa demonstração de confiança na economia norte-americana.

Terminando sua reunião de dois dias diante de um quadro de demanda doméstica sólida, mas com problemas no exterior, o Fed informou que vai adotar uma postura "paciente" para decidir quando elevar os juros.

Em uma coletiva de imprensa, a chair do Fed, Janet Yellen, definiu "paciente" como "pelo menos duas reuniões", o que significa que o Fed não aumentaria a taxa de juros pelo menos até abril do próximo ano. Os mercados financeiros inicialmente interpretaram o novo comunicado como "dovish" (mais expansionista).

O comunicado "deveria ser interpretado como pouco provável começar o processo de normalização pelo menos nas próximas duas reuniões", disse Yellen. "Isto não aponta para nenhum tempo pré-marcado ou pré-determinado".

O banco central olhou além das dificuldades econômicas na zona do euro, Japão e Rússia e ofereceu uma avaliação majoritariamente otimista sobre as perspectivas da economia dos EUA.

"Com base na atual avaliação, o comitê julga que pode ser paciente ao iniciar a normalização da política monetária", informou o Fed em comunicado. Significativamente, o Fed disse que considerou o comunicado "consistente" com a linguagem anterior, de que demoraria um "tempo considerável" para elevar os juros.

Embora o quadro de crescimento tenha permanecido sólido, autoridades do Fed indicaram que adotariam uma postura mais lenta em relação ao ritmo das altas do juro, acenando para o quadro de inflação ainda fraca.

O Fed quase zerou os juros básicos em dezembro de 2008, enquanto batalhava contra a crise financeira e a profunda recessão.   Continuação...