EXCLUSIVO-Governo Dilma busca ajuste fiscal de até R$100 bi em 2015 para recuperar confiança

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 19:41 BRST
 

Por Brian Winter

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff está planejando um pacote de cortes orçamentários e aumento de impostos no valor de até 100 bilhões de reais, em uma tentativa agressiva para recuperar a confiança dos investidores em um momento de crescente pressão sobre os mercados emergentes, disseram fontes do alto escalão do governo à Reuters.

O ajuste fiscal, que se situa no topo das expectativas do mercado, é o mais recente sinal de que a presidente Dilma está adotando uma agenda muito mais austera e favorável aos negócios em seu segundo mandato, que tem início no dia primeiro de janeiro.

A mudança na política fiscal também ocorre em um momento em alguns países estão agindo para se proteger da queda dos preços das commodities e da perda generalizada de confiança nos mercados emergentes. O banco central da Rússia subiu a taxa de juros em 6,5 pontos percentuais nesta semana em meio à forte queda dos preços do petróleo e de sua moeda.

Depois de um longo boom da última década, a economia brasileira cresceu durante o primeiro mandato de Dilma em média menos de 2 por cento ao ano, e com inflação em alta.

O desempenho medíocre, junto com a decepcionante arrecadação fiscal, a instabilidade global recente e a queda dos preços das commodities brasileiras, como minério de ferro, convenceram Dilma a fazer uma grande mudança na política, disseram as fontes que pediram anonimato.

Como parte da mudança, Dilma dará ao seu futuro ministro Fazenda, Joaquim Levy, que tem boa reputação em Wall Street, "carta branca" para conduzir a economia como lhe parecer melhor, disse uma fonte próxima à presidente.

Dilma, que é economista por formação, tomou pessoalmente muitas decisões de política econômica, como cortes direcionados de impostos, que prejudicaram as finanças do país e corroeram a confiança do investidor no primeiro turno.

"É um time novo, com novas ideias", disse.   Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff acena durante entrevista coletiva após a divulgação do resultado da eleição presidencial, em Brasília.  26/10/ 2014.  REUTERS/Ueslei Marcelino