Dólar fecha em leve alta ante o real acompanhando exterior

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014 17:50 BRST
 

Por Bruno Federowski e Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em leve alta ante o real nesta sexta-feira, acompanhando o movimento no exterior, onde outras moedas emergentes também perderam força frente à divisa norte-americana, em uma semana de muita volatilidade causada por incertezas no cenário externo.

A divisa dos Estados Unidos subiu 0,09 por cento, a 2,6574 reais na venda, após encerrar todas as sessões desta semana em alta ou baixa de mais de 1 por cento. Na semana, o dólar acumulou alta de 0,23 por cento.

"No fim de ano, o mercado esvazia e fica flutuando de um lado para o outro. Ainda assim, claramente o dia hoje está bastante tranquilo", disse o gerente de operações do Banco Confidence, Felipe Pellegrini.

Mais cedo, o dólar operou em leve queda, com a recuperação do rublo russo melhorando o humor dos investidores internacionais.

"É um cenário muito volátil", disse o economista da Tendências Consultoria Silvio Campos Neto, acrescentando que a alta vista na segunda metade da sessão acompanhou a tendência de fora, "com as outras moedas também perdendo força".

No início da semana, a derrocada do rublo e a contínua queda dos preços do petróleo --sintoma de fraqueza na recuperação global e de excesso de oferta da commodity-- impulsionaram a moeda norte-americana ante o real.

Mas a aversão global a ativos de risco se reverteu após o Federal Reserve, banco central norte-americano, mostrar otimismo sobre a economia dos EUA e afirmar que será "paciente" na elevação dos juros. A recuperação do rublo também melhorou o humor do mercado nesta sessão, após o governo da Rússia informar que está vendendo dólares das reservas e que espera que exportadores tragam mais divisas estrangeiras ao país.

O rumo do câmbio brasileiro no curto prazo depende das medidas que serão adotadas pela nova equipe econômica para enfrentar o quadro de inflação alta e crescimento baixo no país.   Continuação...

 
REUTERS/Soe Zeya Tun (MYANMAR - Tags: BUSINESS)