Preço alto do Banamex seria barreira para Itaú entrar no México, diz Deutsche

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014 19:27 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Um preço elevado para potencial compra do Banamex, segundo maior banco mexicano, pode ser impeditivo para entrada do Itaú Unibanco naquele mercado, afirmou nesta sexta-feira o Deutsche Bank em relatório.

O presidente-executivo do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, reiterou nesta semana em apresentação a analistas o interesse da instituição em entrar no varejo bancário do México e afirmou que o Banamex pode ser uma opção a ser considerada.

Mas Setubal disse não que não houve nenhum contato com acionistas do banco mexicano nesse sentido.

Comprado pelo Citigroup em 2001 por 12,5 bilhões de dólares, o Banamex tem 16 por cento dos ativos bancários e 15 por cento das operações de crédito do México, o que poderia dar ao Itaú forte presença naquele mercado, afirmou o analista Tito Labarta, do Deutsche, em relatório a clientes.

No entanto, o Banamex tem tido rentabilidade inferior às de seus principais concorrentes no país. O retorno sobre patrimônio (ROE) do grupo foi de 9 por cento no terceiro trimestre, ante

13 a 14 por cento do Banorte e do Santander Mexico , ou dos quase 20 por cento do BBVA Bancomer.

Baseado nas metodologias de avaliação de relação preço/lucro e valor contábil, Labarta estima o valor de Banamex variando de 14,2 bilhões a 22,1 bilhões dólares. Como o Itaú é negociado a um múltiplo menor, uma transação nesses níveis pode diluir os acionistas do banco brasileiro, observou Labarta.

Mesmo que o potencial de crescimento do México seja melhor que o do Brasil, a fraca rentabilidade do Banamex pode ser uma preocupação no caso de um possível acordo, o que provavelmente influenciaria o preço que o Itaú estaria disposto a pagar e que o Citigroup aceitaria, se ele estiver mesmo disposto a vender, afirmou Labarta.

(Por Guillermo Parra-Bernal e Aluísio Alves)