Bovespa fecha em alta impulsionada por Petrobras; JBS cai 8,10%

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014 17:13 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O tom positivo prevaleceu na Bovespa no encerramento do primeiro pregão da semana, com as ações da estatal Petrobras retomando o fôlego e renovando máximas do dia, após declarações da presidente Dilma Rousseff defendendo a CEO da companhia terem enfraquecido os papéis no final da manhã.

A melhora das ações dos bancos Itaú e Bradesco também ajudou no fechamento positivo, após o Ibovespa passar boa parte da sessão pressionado pela forte queda dos papéis da produtora de carnes JBS.

De acordo com dados preliminares, o principal índice da bolsa paulista encerrou em alta de 0,68 por cento, a 49.987 pontos, após recuar para a mínima de 49.104 pontos e avançar para 50.020 pontos, na máxima.

O volume financeiro somou 3,9 bilhões de reais.

As preferenciais da Petrobras fecharam em alta de 3,97 por cento. As ações ON terminaram com ganho de 4,98 por cento, segundo dados preliminares.

Profissionais do mercado de renda variável atribuíram o movimento a ajustes, com a menor liquidez amplificando o efeito dos movimentos, uma vez que o noticiário, na visão deles, não foi favorável, com Dilma defendendo presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, e o petróleo recuando no mercado internacional.

Em meio a expectativas no mercado de mudanças na direção da Petrobras, no centro de um escândalo de corrupção, Dilma disse que fará mudanças no Conselho de Administração da companhia, mas deu indícios de que não pretende trocar o comando operacional, que tem Graça Foster à frente.

No exterior, o petróleo abriu em alta, mas abandonou os ganhos em meio a comentários do ministro do petróleo da Arábia Saudita, Ali al-Naimi, de que teria convencido a Opep de que não é do interesse do grupo cortar sua produção.

No caso de JBS, as ações despencaram quase 18 por cento na mínima da sessão, com operadores citando reportagem do jornal Valor Econômico informando que a empresa creditou 800 mil reais em duas contas correntes de uma empresa fantasma investigada pela operação Lava Jato.   Continuação...