Fontes árabes da Opep veem petróleo acima de US$70 até fim de 2015

terça-feira, 23 de dezembro de 2014 11:23 BRST
 

Por Rania El Gamal

ABU DABI (Reuters) - Produtores árabes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) esperam que os preços globais da commodity se recuperem para entre 70 a 80 dólares por barril até o final do ano que vem conforme a recuperação econômica mundial ressuscita a demanda, disseram nesta semana delegados da Opep, no primeiro indício de onde o grupo espera que os mercados do petróleo se estabilizem no médio prazo.

Os delegados, alguns dos quais dos principais países produtores da Opep no Golfo, disseram que podem não ver - e alguns podem até mesmo não receber bem agora - uma volta para o patamar de 100 dólares no curto prazo. Antes visto como um preço "justo" por muitos dos grandes produtos, 100 dólares por cada barril de petróleo está encorajando muita produção nova de produtores de alto custo fora do grupo exportador, disseram algumas fontes.

Elas acreditam, porém, que uma vez que o crescimento rápido de produtores com altos custos como os de gás de xisto nos Estados Unidos desacelere, e os preços baixos comecem a estimular a demanda, os preços do petróleo podem começar a encontrar um novo equilíbrio até o fim de 2015, mesmo sem quaisquer cortes da Opep à produção - algo que vem sendo repetidamente descartado.

"O pensamento geral é de que os preços não podem entrar em colapso, os preços podem tocar 60 dólares ou um pouco menos por alguns meses e então vão retornar a um nível aceitável que é 80 dólares por barril, mas provavelmente depois de oito meses a um ano", disse à Reuters uma fonte do setor de petróleo do Golfo.

Outra fonte da Opep, também do Golfo, disse: "Temos que aguardar e ver. Não vemos 100 dólares para o ano que vem, a não ser que haja um súbito distúrbio na oferta. Mas média de 70 a 80 dólares para o ano que vem - sim".

Os comentários estão entre os primeiros a indicar como grandes produtores de petróleo veem os mercados de petróleo se comportando no ano que vem, depois que a queda atual cortou os preços quase pela metade desde junho. O referencial global Brent fechou negociado perto de 60 dólares por barril na segunda-feira.

 
Máquina de bombeamento de petróleo, em Sakhir, Bahrain. 11/10/2014 REUTERS/Hamad I Mohammed